BATATAS – (Opinião de Luciano Barcelos)

Fajã de São João 1

Ando cismado que as batatas já não são o que eram. Não tomam sal e sabem a cabeça de nabo!

Deve ser do clima ou do excesso de químicos. Talvez seja do apuramento das variedades. Afinal, ainda há não muito tempo os tecnocratas de Bruxelas queriam proibir os indivíduos de fazerem as suas próprias sementes.

Esta mania da padronização que, em rigor serve as multinacionais como a Monsanto, vai levar-nos à ruína.

Na fajã, comíamos a batata branca que era, por si, um repasto. O tubérculo desfazia-se na panela e absorvia o azeite.

O meu prazer, ao chegar à Fajã de São João, era procurar o Venâncio. Bebíamos um vinho clarinho e ele dava-me a chave da adega para eu me servir à vontade. No chão, havia um monte de batata nova!

Nem a traça, verdadeira praga dos tempos que correm, se atrevia a invadir a adega escura, aonde chegava um vago cheiro a maresia e a presunção de lapas no calhau.

Desconfio dos saquinhos rendilhados de batata para assar.

Andam a aprisionar sabores em vácuo. Acontece com o queijo de São Jorge. A gente sofre para o saborear e não vale a pena procurar uma daquelas tascas em que o queijo era cortado à fatia. Deram cabo delas.

Felizmente, o povo anda sempre à frente da lei.

Há dias, pedi curtume numa tasca e trouxeram um frasquinho que dizia assim: para consumo interno! Ao que parece, isto basta para afastar os zelotas. Contou-me um deles que já chegou a encontrar uma cozinha inteira que tinha à porta: para usar particular!

É fazer o mesmo à cachaça!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *