A Palavra de Deus “Luz para os nossos passos e farol para os nossos caminhos!” (Padre Alexandre Medeiros)

37602537_10212136005500930_6928576237577175040_o

 Hoje, cada um de nós, é convidado pelo Papa Francisco a celebrar – pela primeira vez – o Domingo da Palavra de Deus. Esta importante efeméride será assinalada pela Igreja, em cada ano, no III Domingo do Tempo Comum.

Ao instituir o Domingo da Palavra do Senhor, o Santo Padre pretende que o Povo de Deus vá tendo um progressivo conhecimento e uma cada vez maior familiaridade com as Sagradas Escrituras.

Já dizia São Jerónimo (340 – 420) que “desconhecer as Escrituras era desconhecer o próprio Cristo”, daí que não seja possível progredir na Escola do Evangelho sem nos dedicarmos a um progressivo conhecimento dos textos reunidos no Antigo e no Novo Testamentos.

Conhecer a Palavra de Deus é – antes de mais – saber que estamos inseridos na História duma Gente com Alma! Faz parte da nossa vida, a história de Abraão, de Moisés, de Samuel, de David, de Isaías e de todo o Povo de Israel.

Conhecer a Palavra de Deus é – sobretudo –  acreditar em Jesus Cristo, o Verbo de Deus que Se fez carne, habita entre nós e nos manifesta a Sua glória! Por meio d’Ele alcançamos o perdão dos pecados! Em Jesus Ressuscitado, somos filhos de Deus e  com Ele herdeiros da Vida eterna.

Conhecer a Palavra de Deus é – também – empenhar-se na edificação da Igreja de Jesus! É dar as mãos e a vida, aos irmãos e às irmãs que caminham connosco para que o Verbo continue a fazer-Se carne, na vida e na esperança de todos os que trabalham em cada dia, para instaurar todas as coisas em Cristo.

Conhecer a Palavra de Deus é – ainda – sentir-se chamado pelo Senhor, a levar a esperança, a alegria e a paz de Cristo, a todos e cada um, daqueles e daquelas que partilham connosco esta Casa Comum! Sendo a Palavra de Deus – “luz para os nossos passos e farol para os nossos caminhos” – ela é chamada a iluminar – através das  palavras cheias de bom humor e de ternura que ousemos dizer, e das obras de bondade e de misericórdia que aceitemos cada dia praticar – sobretudo a vida dos pobres, dos doentes e dos que ainda vivem sob o peso do bastão do opressor.

 

Padre Alexandre Medeiros

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *