Bendita és tu, Mulher! – (Opinião Padre Alexandre Medeiros)

37602537_10212136005500930_6928576237577175040_o

Domingo 8 de Março celebramos o Dia Internacional da Mulher – ocasião propícia para reflectirmos acerca da missão e do lugar que as mulheres ocupam, ou deveriam ocupar, nesta sociedade que se quer democrática e plural.

Mas permitam-me que traga à nossa memória, a razão pela qual, o Dia Internacional da Mulher é comemorado, em cada ano, a 8 de Março:

Estávamos em de 1857, quando nesse mesmo dia, as 130 operárias de uma fábrica têxtil de New York, decidiram organizar uma greve para verem garantidos os seguintes básicos direitos – a redução do horário de trabalho, de 16 para 10 horas e a reivindicação de um salário equivalente aos trabalhadores do sexo masculino, uma vez que elas auferiam menos um 1/3 do vencimento.

Estas heroínas da justiça laboral, foram barricadas na “sua” fábrica e morreram vítimas de um incêndio, que entretanto fora ateado, para apagar as vozes e as vidas que lutavam contra a discriminação e a intolerância.

Daí que ao celebrar o Dia Internacional da Mulher, não posso deixar de agradecer e de louvar, a audácia e a coragem de todas as mulheres que assumiram como causa da sua vida, a luta pelo reconhecimento dos direitos e da co-responsabilidade social das suas concidadãs.

Desde o direito ao voto – o qual só foi uma realidade em Portugal com a Revolução da Liberdade – até à presença da Mulher na política, na economia, nas forças armadas e de segurança e nos centros de decisão à escala global – esta luta crescente – resultou numa melhoria evidente da qualidade de vida do Ser humano.

Bendita és tu, Mulher! Porque fazes parte integrante do tecido social e humano em que vivemos e continuas a presentear-nos com a tua vida, com a tua sensibilidade, com a tua beleza e com a tua determinação.

Bendita és tu, Mulher! Cada vez que acreditas nas tuas infinitas capacidades, e desafias a vida, ao lutar pelo curso com que sempre sonhaste; Porque surpreendes a sociedade dos homens com a qualidade e a perfeição do teu trabalho; Porque não tens vergonha de ser sensível diante dos dramas da humana existência.

Bendita és tu, Mulher! Ao chegar a casa do trabalho, tão cansada como nós, ainda arranjas energia para fazer o jantar, tratar das crianças e passar a roupa a ferro.

Todavia nesta luta nem tudo tem sido rosas e progressos. O martírio das 130 operárias de New York prolonga-se pelos nossos dias, na vida de todas as mulheres que são vítimas da violência e da discriminação social.

Evoco pesarosamente, o silêncio e a dor das mulheres que sofrem na pele a violência doméstica e que aturam com atitude estóica os efeitos secundários do alcoolismo, da droga e da falta de educação dos maridos e dos filhos.

Ouso dar voz, à revolta inúmeras Mulheres que são vítimas de abusos sexuais, que são impedidas de prosseguir os seus estudos e que são condenadas a um “casamento” antecipado.

Contemplo tristemente, as diversas culturas que consideram a Mulher como “um ser de segunda” – em muitos países do mundo as mulheres são analfabetas, não tem acesso aos hospitais e vivem como escravas: primeiro dos pais e depois dos maridos.

Fico perplexo, quando as meninas se casam aos 12 anos e horrorizado quando elas são forçadas à mutilação genital e aos demais actos bárbaros da sua obscena “cultura”.

Este triste cenário, recorda-nos que a luta pela causa da dignidade da Mulher e pelo incremento do Direito à Igualdade não está terminada. Homens e Mulheres, enquanto artífices e parceiros na construção da Felicidade, devem unir esforços para que a justiça e a liberdade se concretizem hoje.

Padre Alexandre Medeiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *