BELAMENTE (Opinião – Manuel Azevedo)

12107971_1302553246437576_7122610584514588450_n

Toda a gente anda preocupada com o coronavírus e com razão.

Eu, também, estou preocupado. É que o vírus corre depressa.

Mais depressa do que os cientistas e do que os políticos. Mas, é deles que recebemos diretrizes para nos comportarmos perante esta epidemia, melhor dito pandemia, com consequências terríveis, a nível global. E as consequências económicas e sociais vão ser de monta.

Preocupados, sim, mas a Quaresma continua. Curioso que quaresma tem a mesma raiz de quarentena que, agora, nos é recomendada.

Desencorajadas ou proibidas todas as manifestações que envolvam muita gente. Também, manifestações religiosas: incluídas, aqui, as procissões de passos e os lausperenes. Estas manifestações farão falta a muitos, que não a mim.

Noutros anos ligava muito às mensagens do Papa e do nosso Bispo para esta quadra. Este ano, porém, apelo a que todos façam a conversão própria da Quaresma, cumprindo o que nos dizem as autoridades e os peritos de saúde para combater este vírus mortal.

Havemos de vencer e ressuscitar sãos e salvos. Escrevi este último parágrafo como cristão-católico que sou. Os que o não são, por obrigação cívica, cumpram o que ordenam as autoridades.

Recuando ao antigamente, há décadas, lembrei-me dum jogo da minha meninice, que se jogava nesta época: o belamente.

Duas crianças ou outras pessoas, para englobar alguns mais velhos, disputavam a primeira saudação do dia. O primeiro a fazê-la ganhava um ponto, mas este era muito mais saboroso quando o jogo era entre um adulto e uma criança.

Os mais velhos tendiam a desvalorizar e eram “papados”, quase sempre. As crianças rejubilavam porque acumulavam mais um ponto. E, quando o jogo terminava, ganhavam-se umas amêndoas ou, como me lembrava, há tempos, uma amiga, às vezes, eram nêsperas. Escusado será dizer que naquele tempo nem havia pacotes de amêndoas, só avulsas. Lembro-me de ir à loja do Sr. Correia comprar 1$00 de amêndoas ”gradas”, que davam cinco, das “miúdas” davam dez.

Se alguém pensa que fui ao baú buscar este assunto para alienar do grave problema que vivemos atualmente, engana-se. Distrair, nunca, porque o problema é real e pode-nos atingir, por isso temos de estar atentos.

Fui buscar este tema porque já não posso ouvir falar do coronavírus, apesar de ser um problema real. Medo e ansiedade, que eu, também, sinto, não devem contar. Confiança, exige-se. Já que não convém que nos saudemos com apertos de mão, beijos e abraços, saudemo-nos com um grande belamente.

Belamente!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *