ELES (Opinião – Luciano Barcelos)

Fajã de São João

Ir do centro da fajã ao porto da Panela no dia em que o José Luís alambicava era um risco. Eu acabava metendo o nariz na porta do alambique e convidado a provar o último bagaço ainda quente. Raramente chegava ao cais em condições de dar um mergulho.

Não sei se já vos falei da fajã e do seu verde carregado. Ou dos cagarros e dos garajaus, montados na pedra à ilharga do porto. E do pôr-do-sol sobre o Faial. Certo é que já escrevi sobre as pessoas das fajãs. O José Luís era um vagaroso ilhéu que gostava de tocar guitarra nas noites quentes de verão.

Em agosto, anunciava-se uma tempestade. Na rádio pública, uma voz de trovão aconselhava a amarrar telhas e barcos. Indiferentes, José Luís e Artur Areias, o sábio, transformavam em cachaça o vinho estragado.

Então não querem ajuda para amarrar o barco? Beba mais um copo e vá a casa buscar a toalha que daqui a duas horas isto está bom para um banho. Eles nunca acertam!

E falámos deles. Eles são o bode expiatório da nossa frustração. Se há um buraco na estrada é porque eles não fazem nada. Se o vírus invade a ilha é porque eles não mandaram suspender os voos. Eles, em última análise, comem tudo e não deixam nada.

Não deixa, por isso, de ser estranho o generalizado o consenso que agora existe sobre eles. Vasco Cordeiro é firme no leme e o enfermeiro Tiago até tem clube de fãs. Foi necessária uma pandemia para pôr todos, ou quase todos, do mesmo lado.

Nos Açores, os partidos da oposição elogiam o governo, apesar de estarmos à beira de eleições. No país, Rui Rio escreve aos militantes e diz-lhes que não é patriótico falar mal do governo nesta altura.

Posto isto, até eu estou com eles. Só não percebo por que razão não me deixam tomar um banho de mar. Era uma forma barata de matar o vírus e de não falar mal deles!

Não há perigo de ajuntamentos no calhau nesta altura do ano!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *