É JÁ TEMPO DE ARRIAR A BANDEIRA DA SAÚDE? (Opinião – Vítor Alves)

93377405_10219768054385450_1006196200480702464_o

A bandeira da saúde, de cor branca, era levantada em séculos anteriores, à entrada das localidades tocadas por terríveis epidemias (que muitas vezes degeneravam em pandemia) e sinalizava campo de batalha, onde se lutava pela vida. A peste é de todos os males, o mais conhecido e foi sempre o mais temido, o que mais luta deu e o que mais vidas ceifou. Assim aconteceu também nas nossas ilhas, onde por causa do mal, a bandeira da saúde foi frequentemente hasteada.

Estávamos longe de passar por isto. Mas um novo “vírus” deu-nos a provar da angústia que provaram os nossos antepassados. Em menor escala, é certo, porque as condições de vida e de preparação para o combate sanitário são outras, mas a angústia é a mesma. Já fomos à lua, mas fugimos a sete pés de um invisível vírus e trancámo-nos em casa com o coração na mão, assistindo ao desfiar diário dos números da catástrofe, pela janela mágica. Marcelo Rebelo de Sousa levantou então a bandeira da saúde, Já não de pano, a subir num mastro, mas declarada às 20 horas em ponto, num dia em que estavam a começar os principais noticiários das TVs. O resto todos sabemos.

Há duas semanas que a Terceira não oferece casos positivos de Covid-19 ao todo regional. E desde há três semanas que quem desembarca nesta, ou em S. Miguel, cumpre duas semanas de quarentena. É um esforço imenso para quem fica confinado num hotel, mas um contributo enorme para impedir uma transmissão comunitária que, num espaço geográfico como o de uma ilha, poderia ser coisa séria.

Se não há casos registados nos últimos 15 dias, se os que entram são confinados num espaço que oferece eficácia, tornando seguro o seu regresso a casa, é lógico pensar que a Terceira está limpa do maldito Covid-19. Sabemos que é cedo para legitimar tal conclusão, mas conforta saber que o sacrifício feito por cada um de nós, até agora, valeu a pena e que os terceirenses vão na direção certa.

Há três ilhas onde o novo coronavírus não se entranhou em ninguém. E há também outras cinco ilhas, sem registo de infetados há vários dias. A batalha em S. Miguel, está longe de ser ganha, mas o inimigo está cercado. A estratégia da autoridade de saúde regional revela-se acertada. As medidas políticas imediatas para minimizar a situação foram também eficazes. Ou seja, a reação foi rápida e certeira e continua na direção certa.

Bem sabemos que um inimigo sem rosto é um terrorista perigoso e que não podemos cantar vitória. Por isso mesmo, o combate está por acabar e o que menos necessitamos nesta altura é de antecipados acertos políticos de contas nas nossas hostes, ou de continuar a suportar teses parolas de estrategas de sofá que sem saber da coisa, tudo sabem, ou, simplesmente, baixar a guarda e desertar..

Só vamos arriar a bandeira da saúde quando dermos cabo deste inimigo comum. É a batalha da nossa vida e das vidas dos nossos entes queridos. É uma batalha pela humanidade. De que lado queres estar?

Vítor Alves (Jornalista)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *