Conselho de Ilha e Câmaras de São Jorge “ à beira de um ataque de nervos”, exigem intervenção do Governo para ultrapassar dificuldades de transportes.

IMG_2573(1)

A Presidente do Conselho de Ilha e os Presidentes das Câmaras Municipais de Velas e Calheta, em São Jorge, apelaram, esta sexta-feira, ao Governo Regional que “adote as medidas que lhe competem para assegurar mais e melhores ligações aéreas e marítimas à ilha”, visando “o bem-estar da população, o desenvolvimento e o crescimento da Ilha”.

Numa conferência de imprensa conjunta, nos Paços do Concelho da Calheta, Maria Isabel Teixeira, Luís Silveira e Décio Almada apontaram “inúmeros” e “imensos” problemas e constrangimentos sentidos pela população jorgense e por turistas nas ligações aéreas e marítimas à ilha, apontando que “são desgastantes e lamentáveis as histórias e as situações que se vivem à chegada e/ou partida da nossa ilha”.

“Os transportes são, pois, imprescindíveis para o bem-estar das pessoas e para o florescimento dos negócios, em qualquer ilha. Sem um sistema de transportes eficiente, eficaz e articulado o que se promove é um atrofio sério ao desenvolvimento. O que tem vindo a acontecer na ilha de São Jorge é paradigmático desta deficiente rede de transportes”, afirmou a Presidente do Conselho de Ilha.

“Nos transportes marítimos são várias as vicissitudes e os incidentes que têm sucedido. Estes problemas levam a que, no conjunto da realidade das ilhas do Triângulo, São Jorge seja a ilha mais prejudicada, bem como na realidade do Grupo Central as ligações com a Terceira e a Graciosa sejam sempre mais difíceis. Mas o gravíssimo problema que se tem vindo a registar está na falta de capacidade de resposta adequada às necessidades da ilha, que tem vindo a ser dada pela SATA Air Açores”, salientou a porta voz desta indignação jorgense.

As questões demográficas, as saídas da ilha para seguir estudos superiores, a deslocação de doentes, o desenvolvimento do setor turístico e o apoio à iniciativa privada, foram áreas elencadas pelo Conselho de Ilha e pelos Municípios de Velas e Calheta, para justificar esta tomada de posição pública e conjunta.

Segundo Maria Isabel Teixeira “o estrangulamento ao desenvolvimento social e ao crescimento económico da ilha de São Jorge por via das ineficientes respostas dos transportes públicos que nos servem tem sido um assunto no topo das preocupações das entidades e instituições representativas da sociedade de São Jorge”, enumerando que, “por bastas vezes, quer o Conselho de Ilha de São Jorge, como os Municípios de Velas e Calheta, têm vindo a alertar o Governo Regional e as empresas públicas de transporte aéreo e marítimo de passageiros para as limitações, dificuldades e constrangimentos que se tem vindo a verificar e que limitam profundamente o desenvolvimento desta ilha”.

Assim, consideram a responsável pelo órgão representativo da ilha e os dois autarcas jorgenses, “é imperioso, de uma vez por todas, que o Governo Regional, em articulação com as administrações públicas que nomeou para as empresas que tutela, olhem para a realidade que os rodeia e encontrem soluções condignas para proporcionar o mínimo de qualidade de vida a quem vive em São Jorge, mas também para quem quer visitar São Jorge”.

Conselho de Ilha e Câmaras Municipais sublinham que “não valem de nada os investimentos privados que têm vindo a ser realizados se não tivermos transportes adequados; não valem de nada os investimentos públicos que têm vindo a ser feitos na promoção do destino turístico, nem na afirmação que as Autarquias têm realizado nas marcas ‘Calheta – Capital das Fajãs’ e ‘Velas – Capital do Queijo’, se não tivermos transportes adequados; não valem de nada as nossas belezas naturais, a nossa qualidade e sustentabilidade ambientais, se não tivermos respostas públicas aos anseios das populações, entre eles uma boa rede de transportes aéreos e marítimos”.

Perante estas limitações ao desenvolvimento da ilha, causados por empresas que dependem diretamente do mesmo acionista – o Governo Regional, “o Conselho de Ilha de São Jorge, as Câmaras Municipais de Calheta e Velas, através deste ato conjunto, na defesa intransigente da nossa Ilha e da população que representamos, no estrito cumprimento legal das competências que nos estão atribuídas, apelam, construtivamente, mais uma vez, ao Governo Regional que adote as medidas que lhe competem para assegurar mais e melhores ligações aéreas e marítimas à ilha de São Jorge, contribuindo para o bem-estar da sua população, para o desenvolvimento e para o crescimento desta Ilha”.

“Tremendas dificuldades”

No texto assinado pelas três entidades representadas, a Presidente do Conselho de Ilha elenca um conjunto de situações concretas que tem afetado a ilha.

“Em São Jorge ainda vive gente. Gente que precisa de respostas de saúde. A maioria destas respostas só está disponível em outras ilhas, particularmente nas ilhas com hospital. Ora, a somar às longas listas de espera na saúde, os Jorgenses estão confrontados com outro sério revés: esperam meses a fio por uma consulta, um exame ou uma chamada para cirurgia noutra ilha e, quando finalmente são chamados, não tem resposta adequada por parte dos transportes aéreos. São dezenas os casos de doentes deslocados muitas vezes para uma simples consulta de especialidade, que foram obrigados a ficar fora da sua ilha vários dias seguidos porque a SATA não tinha lugares disponíveis nos voos de regresso a São Jorge. Se juntarmos ao desgaste físico e psíquico da doença, os custos acrescidos e os constrangimentos familiares e profissionais destes utentes do Serviço Regional de Saúde, percebemos que não é admissível, em pleno século XXI, continuarmos a contar histórias de vida desta natureza”, afirmou Maria Isabel Teixeira.

“São Jorge padece ainda de um outro problema. Todos os jovens que queiram prosseguir estudos superiores têm que sair da sua ilha. Também aqui são imensas as vezes em que os filhos da nossa terra são sujeitos a dificuldades acrescidas para chegarem à sua universidade por falta de lugares disponíveis, e quantas são as vezes que perdem dias de férias porque a SATA não assegura resposta adequada. Se associarmos a estes fatores as dificuldades muitas vezes sentidas por empresários que precisam de vender ou adquirir mercadorias; que precisam de sair da ilha para realizar um qualquer negócio; que precisam de cá receber um vendedor ou cliente, e que não têm capacidade de resposta dos transportes aéreos”, acrescentou.

Má imagem para o turismo

Mas as dificuldades não se ficam por aqui: “Fala-se muito em turismo. Com as alterações que se tem vindo a verificar nas políticas de transportes aéreos, de facto, temos vindo a assistir a um crescimento positivo do turismo, o que tem levado até à realização de inúmeros investimentos privados no setor, muito em particular aqui na ilha de São Jorge. Porém, incentivar os privados a investirem, a criarem emprego e, depois, não ter capacidade de resposta para que os seus investimentos sejam rentabilizados, não é contribuir para o desenvolvimento da Nossa Ilha. Quantos são os turistas ou grupos de visitantes que saem de São Jorge fascinados com a natureza, mas profundamente agastados pelas dificuldades impostas pelos transportes”, disse.

Exemplificando, a Presidente do Conselho de Ilha e os Autarcas de Velas e Calheta referem todas as vezes que “os barcos vêm e não vêm; os aviões que não têm lugares disponíveis; os grupos que têm que vir separados (em voos ou aviões diferentes) porque não há capacidade de transportar o grupo todo de uma vez. São desgastantes e lamentáveis as histórias e as situações que se vivem à chegada e/ou partida de turistas da nossa ilha”.

A somar a todas estas situações, Conselho de Ilha e Câmaras Municipais frisaram ainda outra “realidade que tem bafejado a nossa ilha”, referindo-se aos “vários cancelamentos de voos, já para não falar na irregularidade no cumprimento dos horários”.

Nos últimos anos, não há memória de uma tomada de posição conjunta das principais entidades representativas da ilha de São Jorge, como a que se verificou, esta sexta-feira.

CISJ / Mark Marques | Info-Fajãs

07.06.2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *