Governo dos Açores quer “aprofundar e evoluir o modelo de transporte marítimo”, afirma Vítor Fraga

0199

O Secretário Regional dos Transportes e Obras Públicas afirmou hoje, no Pico, a ambição do Governo dos Açores de aprofundar e evoluir o modelo de transporte marítimo, reforçando a frequência e os pontos das ligações e reduzindo os custos diretos e indiretos.

Vítor Fraga, que falava na cerimónia de bênção do navio ‘Cristiano S’, frisou que será, assim, prosseguida a “reforma tranquila” que tem vindo a ser implementada no transporte marítimo e que “está longe” de estar concluída.

Na sua intervenção, salientou que esta evolução “apenas será possível com o envolvimento de todos os agentes”, iniciando-se pelos armadores de tráfego local, por forma a potenciar a integração do transporte de passageiros, viaturas e carga rodada.

O Secretário Regional assumiu como objetivo “a diminuição dos custos globais do sistema e a consolidação do modelo de transporte marítimo de mercadorias”, com vista a potenciar a economia e, consequentemente, permitir a criação de riqueza e preservar e criar postos de trabalho.

Neste âmbito, Vítor Fraga evidenciou algumas das medidas a implementar pelo Governo dos Açores, que passam pela promoção, junto de operadores regionais, da adequação da oferta à procura para o transporte de mercadorias, o lançamento do concurso para nova concessão do transporte marítimo de mercadorias entre as Flores e o Corvo, e ainda a promoção do enquadramento legal necessário para a criação do conceito de ‘Tráfego Regional’, que considerou ser fundamental para que as empresas atuem livremente em todo o território regional.

Ao nível das infraestruturas, e procurando “aumentar permanentemente a sua segurança e eficiência operacional”, Vítor Fraga destacou a conclusão das empreitadas já lançadas, como os portos da Casa, das Poças, das Velas e de Ponta Delgada, a segunda fase da Frente Marítima da Cidade da Horta e a rampa RO-RO no Porto da Calheta, além do lançamento de novos procedimentos para os projetos que estão em fase de desenvolvimento.

“Temos grandes desafios pela frente, que vamos vencer, envolvendo os agentes económicos, nomeadamente os armadores de tráfego local,” frisou o titular da pasta dos Transportes, salientando a importância fundamental destes agentes e do transporte marítimo regular para o desenvolvimento económico e social do arquipélago, que é uma realidade bem presente no ‘Triângulo’.

Vítor Fraga lembrou que, em março de 2014, “quando entraram ao serviço os ferrys ‘Mestre Simão’ e ‘Gilberto Mariano’, não faltaram os profetas da desgraça, apontando estes [ferrys] como potenciais causadores da destruição do tráfego local”.

“Ao contrário desses, sempre dissemos que não estávamos perante atividades puramente concorrentes, mas sim também complementares”, salientou o Secretário Regional, realçando o desenvolvimento que os novos ferrys trouxeram à economia local, bem como o dinamismo, a criatividade e a capacidade de superação permanente que os armadores de tráfego local têm demonstrado ao serviço das populações.

“Aquilo que presenciamos hoje é bem mostra do estímulo que esta nova realidade trouxe para o transporte marítimo, levando assim a empresa Barcos do Pico a aumentar a sua frota, preparando-se para dar cabal resposta aos desafios que o presente já lhe coloca”, frisou Vítor Fraga.

“Sei que temos muito trabalho pela frente, mas é precisamente esta noção de que muito há a fazer que nos motiva e dá alento para, sem hesitar, arregaçar mangas e deitar mãos à obra”, afirmou o Secretário Regional.

GaCS/HB/ Mark Marques | Info-Fajãs

30.11.2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *