Poder político, temos falta … (Opinião – Pedro Pessanha)

536383_437836806273492_1255926979_n

Nos próximos tempos São Jorge precisa de se situar no contexto dos Açores.

Temos várias hipóteses, uma passa por continuarmos a ser uma das 8 ilhas dos Açores que são geridas por São Miguel, uma pequena ilha, isolada, com cada vez maiores níveis de desertificação e de envelhecimento.

Outra hipótese é sermos uma das ilhas do triangulo, ganhando peso politico e dimensão no contexto regional. Muito se pode fazer já hoje para se criar um triangulo forte, desde a ligação da nossa camara de comercio ao Pico e ao Faial, ou pela criação de torneios ou campeonatos desportivos dentro do triangulo, e no turismo, uma união efetiva das 3 ilhas seria uma alternativa a São Miguel e à Terceira.

Obviamente para funcionar é preciso não ter receios e que o Pico e Faial também o desejem.

Com a Atlanticoline a transportar diariamente passageiros entre o triangulo e com 2 aeroportos com ligações diretas para fora da região, temos as condições para sermos um destino alternativo.

O que falta é condições politicas em cada ilha e vontade de trilhar esse caminho.

O modelo de desenvolvimento dos Açores esta esgotado.

Necessitamos de uma politica baseada nas especificidades de cada ilha e no que respeita ao Triangulo na sua complementaridade.

Temos em cada ilha potencialidades económicas próprias e singulares que muitas vezes se completam, mas por manifesta falta de poder politico, e não só dos nossos deputados, nem dos nossos presidentes de camara, mas também devido á falta de vontade politica das nossas organizações sociais, desportivas, económicas, da dita chamada sociedade civil, não o conseguimos realizar.

O concelho da Calheta neste contexto, passa também por se posicionar dentro de São Jorge.

Após as próximas eleições autárquicas, o concelho da Calheta de uma vez por todas tem de se definir como um concelho, e deixar de ser uma grande freguesia dentro da ilha. Os próximos 4 anos serão fundamentais para a Calheta, para que de uma vez por todas se afirme em São Jorge e nos Açores.

Este será por ventura um dos maiores desígnios que os Calhetenses precisam realizar.

Temos que deixar de ser uma grande freguesia de São Jorge, deixar de andar a embelezar e fazer muros e criar de uma vez por todas um concelho. A Calheta tem quase tudo o que é preciso, temos industria, 2 das 3 cooperativas, em termos turísticos as mais conhecidas e icónicas fajãs de São Jorge com o maior potencial turístico. O que não temos? Não temos muita coisa com certeza, mas principalmente não temos um poder político capaz.

Os deputados eleitos são claramente preteridos por deputados das Velas, algo que não tem mal nenhum, desde que pelo menos de vez em quanto, apareçam por cá.

Os nossos deputados passam uma semana por mês no Faial, mas não passam nem um dia na Calheta.

A Calheta, e o município tem a obrigação de alertar, e de influenciar por exemplo que médicos de especialidades passem a deslocar-se á Calheta, que o centro de saúde não perca valências em relação às Velas, que os transportes Graciosenses não continuem muitas vezes a tratar de uma forma deselegante a Calheta, que não tenhamos finanças , (há uns meses apareceu um comunicado do PS a dizer que ia abrir, e nada), que a Policia não saia da Calheta, que o Topo  seja uma porta de entrada da ilha , que as Fajãs não continuem a ser um assunto adiado. Que o porto da Calheta não continue sem a rampa para embarque de automóveis (parece que já temos uma foto da rampa), etc.

Temos de ter poder político para podermos reivindicar esta terra como um concelho real.

A existência de um único concelho em São Jorge devido a questões económicas é um erro.

A melhor forma para combater a desertificação que grassa por estas ilhas é descentralizar, o benefício desta descentralização a médio e longo prazo estou convencido que será manifestamente maior que uma centralização dentro da própria ilha, e dos ganhos económicos resultantes dessa centralização.

Assim como uma vila do Topo forte e pujante é fundamental para a Calheta, também um concelho robusto é fundamental para as Velas e para a Ilha de São Jorge.

Temos que recriar e refundar em muitos aspetos o nosso concelho.

Esse será a meu ver o maior objetivo para os próximos anos, que o futuro presidente de camara terá.

Os maiores partidos da ilha não estão a contribuir para a criação de um poder politico forte na Calheta, e muitas vezes dependem de decisões partidárias centralizadas.

A ideia de que um grupo de “Independentes “poderia quebrar esse círculo e trazer outra visão para o concelho não funcionou, e acabaram por cair nos mesmos erros que os partidos têm cometido.

Por este motivo, precisamos nestas próximas eleições que os Calhetenses não ponham os ovos todos no mesmo cesto, precisamos de eleger uma Camara Municipal, uma Assembleia Municipal e Freguesias com pessoas com opiniões e com ideias diferentes, a falta de oposição construtiva e o dizer sim senhor a tudo, tem minado o nosso desenvolvimento.

Essas diferenças, e principalmente a participação dos Calhetenses irão ajudar o nosso concelho a ser realmente um concelho nos próximos anos.

 

Pedro Pessanha

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *