A batuta que dirigia para além da música (Opinião – Aires Reis)

thumbnail_10439344_816105535074761_8712408982353927358_n

O maestro da Filarmónica Recreio Topense, da Vila do Topo, decidiu recentemente colocar um ponto final na sua atividade, comunicando-o com grande elevação, nas redes sociais.

Este facto, só por si, não será inédito nem daria notícia na comunicação social, se não tivesse que ser visto numa perspetiva mais abrangente.

Eduardo Borba foi, em primeiro lugar, um verdadeiro maestro nos grupos que dirigiu. O respeito que impunha, o sentido de responsabilidade que transmitia, o contagiante empenho que sempre demonstrou e a amizade que consagrava com os músicos que, em cada momento, dirigia, tornaram-no numa figura incontornável da história das nossas filarmónicas.

Não foi, portanto, apenas alguém que teimosamente não permitia que filarmónicas fechassem as portas. Trata-se sim de um homem que lutou pela afirmação destes agrupamentos musicais e que dedicou intensamente a sua vida a esta atividade.

Eduardo Borba emergiu como maestro pelas suas reconhecidas capacidades. Com vasta experiência nas filarmónicas e com formação na Banda Militar dos Açores, destaca-se, de forma particular, pelo seu espírito de liderança.

Com ele, conseguiu marcar várias gerações, muito para além da arte musical.

Inúmeros serão aqueles que, hoje, também nas nossas comunidades emigrantes, ao lerem a carta que o já saudoso maestro publicou, possivelmente receberam do próprio coração um nobre sentimento de respeito e deixaram cair uma lágrima de saudade.

Todos recordarão para sempre o que aprenderam sob a sua regência. A sua batuta não se limitava a marcar os tempos do compasso, nem a dar indicações aos instrumentistas das suas bandas. Ela chegava bastante mais longe. Muitas vezes, dirigia os mais jovens a um conjunto de valores humanos e sociais que, só quem teve esse privilégio, conseguirá entender.

Foi neste ambiente que, reconhecidamente, muitos aprenderam a importância do verdadeiro espírito de grupo e do sentido de responsabilidade que se esperam, de quem integra um agrupamento.

Com os seus ensinamentos e conselhos, muitos jovens tornaram-se adultos, um pouco mais cedo.

Será naturalmente por isto e muito mais, que as instituições reconhecerão, com certeza, a importância do seu trabalho, através de justas e merecidas homenagens.

Muitos lhe dirão “obrigado, maestro”. Outros, talvez, como tudo na vida, não tenham compreendido algumas das suas atitudes.

Mas uma coisa é certa. Eduardo Borba deixou uma marca no mundo das filarmónicas.

Quem o conhece sabe que se trata de um homem controverso nestes mundos artístico-populares.

Uma pessoa frontal, como gosta que o considerem, que diz o que sente, sem receios e sem preconceitos. Bem-falante e com ideias muito esclarecidas. Um ativista dinâmico que defende a sua terra e os seus grupos com a maior convicção, como se da própria família se tratasse.

Recordo-me que, quando era necessário alguém para representar a voz da população, junto das entidades oficiais, era ele que aparecia e conversava com os governantes, com o mesmo à vontade do que explicava a divisão de um compasso aos músicos que dirigia.

Quando a rádio ou a televisão precisavam de um depoimento, lá estava ele. Pelas suas experiências de vida e porque é profundo conhecedor das tradições, além de bom comunicador.

Poderia ter assumido cargos de responsabilidade em nome das populações, mas talvez a sua frontalidade e irreverência o tenham condicionado um pouco.

Mas Eduardo Borba está aí, com vida e saúde, para o que der e vier. Apenas completou a sua derradeira etapa na música.

Para os mais atentos, fica uma curiosa interrogação que ele nunca esclareceu: o motivo de levar a sua mão direita ao peito antes de começar a dirigir um concerto.

Presumo que, daqui por alguns dias, tenha alguma dificuldade de contenção quando ouvir, da janela da sua casa, os primeiros acordes do ensaio da filarmónica onde nasceu e onde agora termina a sua carreira.

Contenção emocional e crítica, pois é um homem com o coração muito próximo da boca.

Engana-se quem pensar que a sua prestação terminou por aqui, pois até o seu reconhecido espírito crítico vai contribuir para que os maestros futuros estejam muito atentos à apresentação da sua banda.

Se bem o conheço, sempre que ouvir um “Passodoble” pela rua abaixo, lembrar-se-á, com emoção, da classe com que as suas filarmónicas desfilavam, naquela inconfundível cadência que com ele nasceu e com ele há-de morrer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *