Mais uma carta para a Califórnia – (Opinião – Clélio Meneses)

21617802_1858783591103788_377536761660454557_n

Com o rigor do Inverno, não me tenho cruzado com o meu amigo José Mistério. Na semana passada, porém, apareceu-me à porta com mais uma das suas missivas para a filha emigrada no Oeste americano, pedindo que a revisse, como o fiz e abaixo publico:

 “Querida Teresa,
Contando que recebas esta carta com a saúde que queremos para ti, para o Jason, a Cindy e o Francisco, digo-te que, nós por cá, vamos “pairadinhos” na graça de Deus.


Tem sido um Inverno alagado e frio, mas é a época dele. Nos últimos dias, temos saído pouco de casa. Tem sido para ir à missa e à venda e aproveitar uma “estiadinha” para tratar das galinhas e dos porcos, porque das vacas teu irmão é que tem tratado. Sabes que, na nossa idade, qualquer aragem mais fresca ou um pingo de chuva é coisa para nos pôr na cama e… o Carnaval está à porta.


Tua mãe há quatro anos para cá “cismou” em não fazer filhoses do forno em casa, diz que já não tem saúde para isso e compra na venda da Mariquinhas umas que eles metem lá a vender nestes dias, mas digo-te que não é a mesma coisa. Ela também diz que não se importa muito com elas – “Ah José, não são c’más minhas!” – mas todos os anos vai lá comprá-las. Faz me lembrar a política no nosso país. Toda a gente reclama do Governo, toda a gente faz greves e manifestações – enfermeiros, médicos, polícias, juízes e toda a qualidade de empregados – mas depois votam sempre nos mesmos.

Outro dia, disse isso mesmo a tua mãe: O Governo está como as filhoses da Mariquinhas, ninguém gosta, mas todos vão lá comprar. Foi aí que caí em mim e percebi que, mesmo não gostando delas, as filhoses da venda tem uma qualidade maior do que as de tua mãe: não dão trabalho! É só chegar à venda com seis euros e trazes quatro filhoses para casa… E com o Governo a coisa é da mesma natureza, desde que o Povo não se canse muito nem puxe por si, desde que tenha meia dúzia de patacos e lhes digam que está tudo a correr bem, ninguém se apoquenta muito nem faz intenção de mudar a governação.


Por falar em Carnaval, digo-te que isto na nossa ilha vai um rebuliço “pomor” da Câmara da Praia teimar em obrigar as danças e bailinhos a ir dançar ao Auditório para poderem receber um subsídio. “Amodes” que já há grupos que, para mostrar a sua revolta, dizem que não vão lá dançar. Também acho uma “confiadeza” essa obrigação.

Mais do que isso, acho uma fraqueza. Percebo que essa gente nova que agora toma conta disto não sabe o que é o Carnaval nem nunca passou por uma ditadura, para usar o voto do Povo e querer mandar em tudo desta maneira. No meu tempo, a gente ia com o assunto à cidade para a censura ver os assuntos, mas a gente dançava onde queria e… podia, indo a pé, até onde a força e o tempo permitiam, dançar em terreiros e casas particulares, mas ninguém se atrevia a dizer que tínhamos de entrar nalgum lugar por obrigação.


Ai, se eu fosse novo!… Ainda fazia uma graça e ia actuar lá no Auditório, na frente do Senhor Presidente e dizia que dançava onde queria e ele ficasse com o dinheiro do subsídio para ajudar a pagar as dívidas da Câmara!…


Minha filha, espero que por aí o Carnaval corra bem e que vocês vejam muitas danças com saúde e “descrição” que é coisa que vai faltando por aqui.


Esperamos as vossas notícias e não te esqueças de mandar uns “retratinhos” dos pequenos. Tua mãe já tem mais lugar para os pôr em cima da televisão e dos armários, agora que ela meteu fora os retratos que alguns políticos deixaram em nossa casa nesses anos de campanhas eleitorais. Pois, como eu sempre lhe disse, “amor, amor é aos nossos” e, “em primeiro lugar, está a família”, mas ela só veio a perceber isso quando começou a ver na televisão que o Governo de Portugal também agora é só família, maridos, mulheres, pais e filhos…


Até à primeira, beijos do pai e da mãe para ti e para os pequenos e um abraço para o Francisco.


José Mistério

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *