UM VÍRUS QUASE DEMOCRÁTICO (Opinião – Manuel Azevedo)

12107971_1302553246437576_7122610584514588450_n

A pandemia causada pelo novo corona vírus atingiu todo o mundo, também os Açores.

Quando julgávamos ser uma Região “covid free”, eis que surge a hipótese de mais casos e vão continuar, até que surja a tão ansiada vacina. E os doentes de risco, como eu, não saem, mais outros que o não são. Medo, muito medo.

Exagerado, digo eu que, talvez seja inconsciente. Mas que é uma desolação ver empresas fechadas e uma cidade deserta, por causa desta terrível doença, é!

Não são só aquelas de que precisamos, mas também restaurantes sem clientes ou fechados, a maioria dos hotéis sem funcionarem. Não vou falar de sectores, pois isto é uma bola de neve. Só faltava que os nossos governantes nos desajudassem: em nome duma “continuidade territorial” que deve ser respeitada, em tempos normais, não cuidaram que estávamos no meio duma anormalidade. E o PR, ainda repisou o assunto, mandando um Falcon da FA buscar o Representante da República para se reunir com ele, quando podia utilizar meios tele para o fazer.

Sentiu necessidade de vir aos Açores, redimir-se. Espero que o Presidente do Governo lhe “tenha cantado as banaditas”, dito de outro modo, lhe tenha dito tudo. Não falo de mais atitudes centralistas, pois seria um nunca mais acabar.

Não bastava esta pandemia, que nos prejudica a vida e até mata, para surgirem, outra vez, fenómenos racistas na América do Norte. Por isso as manifestações que surgiram, um pouco por todo o mundo. É que os direitos humanos, o principal dos quais o direito à vida, não podem ser esquecidos. Apesar desta pandemia os ter obnubilado, não nos podemos esquecer daquele negro que morreu e do modo como morreu.

Dizem-me que aquilo é vulgar e só teve esta expressão porque foi filmado. Por isso estas justificadas manifestações mundiais. Não estou de acordo com atos de vandalismo personificados no incêndio de lojas e de carros, do derrube de estátuas e de não se curar da distância dos outros, recomendada pelas autoridades sanitárias. Parecia-me que a luta até à morte de Martin Luther King, tinha resolvido alguma coisa… pelos vistos, não!

Dizem que este vírus é muito democrático, pois atinge todos por igual, mas os ricos “safam-se” melhor, caso contrário não havia falência de famílias, com a pobreza e o desemprego a crescerem.

É só olhar por aí! Oportunidade para muitos porem em prática a solidariedade e partilha que são seu apanágio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *