Como se condiciona o desenvolvimento de uma Terra – (Opinião – Luís Garcia)

unnamed

Na semana passada revisitei a temática relacionada com a construção da variante à cidade da Horta com o objetivo de questionar o Governo Regional sobre as suas intenções em relação a este investimento.

A decisão do anterior Governo Regional de cancelar a construção da 2ª fase da variante é inaceitável e condiciona o desenvolvimento do Faial dadas as óbvias implicações que tem noutros investimentos públicos, tais como, a requalificação da Frente Mar da cidade da Horta, a construção do novo Quartel dos Bombeiros e o reordenamento do trânsito na cidade. Ou seja: estes investimentos são absolutamente complementares. Entendo, por isso, que é urgente recolocar a 2ª fase da variante nas prioridades dos investimentos regionais.

Na consulta do enorme dossier de adiamentos, promessas e enganos que possuo sobre a 2ª fase da variante, dei por mim a pensar como um Governo, que deveria pautar a sua ação pelo desenvolvimento equilibrado e integral de todas as ilhas, condiciona e trava o desenvolvimento do Faial. Não devia ser assim, mas infelizmente tem sido!

Para além do exemplo da variante, existem muitos outros que provam esta censurável atuação de governos ditos regionais. Recordemos alguns.

Há muito que os governos do PS condicionam o desenvolvimento do Faial e do Triângulo ao não concretizarem os investimentos, que eles próprios prometeram, relativos às acessibilidades, especialmente a ampliação da pista do nosso aeroporto. E continuam, aparentemente, a tentar dar a volta ao assunto prometendo agora que a operação com Lisboa se passe a efetuar com aviões mais pequenos.

O mesmo condicionamento verificou-se e verifica-se em relação aos investimentos no porto. Na primeira fase a redução da dimensão do novo cais atrofiou-o e fez com que deixasse de responder àquela que era a sua principal finalidade: a receção de grandes cruzeiros de turistas. Enquanto isso prepararam infraestruturas em outras ilhas para esse segmento turístico.

Não satisfeitos com o que fizeram na primeira fase, apresentaram um projeto para a segunda fase de reordenamento do porto que, a ser concretizado, comprometeria de forma quase irreversível a segurança e a operacionalidade daquela infraestrutura. E o que me causa ainda maior perplexidade é que este projeto foi elaborado por uma empresa pública gerida por gente desta Terra!

As Termas do Varadouro constituem outro bom exemplo de que como se prejudica uma ilha. O Governo efetuou investimentos públicos nas termas em S. Miguel e na Graciosa deixando abandonadas as do Varadouro, numa dualidade de critérios absolutamente condenável.

O esvaziamento do Hospital da Horta, sobretudo, em relação a especialistas residentes é outro aspeto que vem igualmente condicionando o nosso desenvolvimento social e económico. Aqui juntou-se a fome à vontade de comer. Ou seja: se temos tido governos que pretendem esvaziar e cortar, não temos tido ao nível da administração do nosso Hospital quem consiga ou queira contrariar essas pretensões, bem pelo contrário.

Ainda no âmbito da rede viária para além do cancelamento da variante, podíamos acrescentar o troço entre o Largo Jaime de Melo e a Ribeira do Cabo que passou de alcatrão a piso de terra batida e assim permanece há 20 anos obstaculizando o nosso desenvolvimento, quando no mesmo período, os mesmos governos, fizeram avultados investimentos nas SCUTs em S. Miguel. Isso é tratar todos de forma equitativa?

Estes exemplos são absolutamente objetivos e dizem muito da atuação e da atitude de vários governos regionais socialistas em relação ao Faial. Ninguém no Faial devia ter dúvidas que isso tem condicionado e travado o nosso desenvolvimento. Porém, não é isso que tem acontecido. O PS do Faial e as sucessivas câmaras de maioria socialista não têm querido ou não têm tido a capacidade para exigir aos governos regionais outra atuação e outra atitude em relação ao Faial. Pelo contrário, em vez de serem os defensores dos nossos interesses coletivos junto dos governos regionais, optaram, quase sempre, por serem os defensores do governo no Faial, mesmo das más decisões. Esta forma de agir do PS do Faial e dos autarcas socialistas deu força e apoio a esta atuação dos governos regionais.

O Governo Regional só perceberá que tem de mudar a sua atuação quando os dirigentes políticos e o poder municipal falarem todos a uma só voz, com força e firmeza, na defesa do Faial. Será isso uma utopia? Não devia ser.

Luís Garcia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *