A PROPÓSITO DAS PANDEMIAS – A FORMA CURIOSA DO TRANSPORTE PARA OS AÇORES, DA PRIMEIRA VACINA DA VARÍOLA

487351_307172989369769_1796587321_n

O isolamento de São Jorge, não foi impeditivo da chegada das pandemias a esta Ilha e, logo após o seu povoamento a lepra vitimou (em 1518) João Pires de Matos que foi genro de Guilherme Van de Hagen. Julga-se que esta ilustre figura mandou construir a ermida (anexa à Casa dos Tiagos / Vila do Topo) e dedicou-a a São Lázaro (padroeiro dos leprosos) precisamente por ter sido atingido por este flagelo.

Sucedeu-se a peste mas, para não me tornar fastidioso, vou falar da varíola e como foi transportada, para cá, a vacina.

Sabe-se que foi a que mais vezes atingiu São Jorge (no século XIX por 4 vezes – 1845,1846,1860 e 1873).

Antes da descoberta da vacina, recorria-se à inoculação, como forma de atenuar os seus efeitos que, consistia em introduzir debaixo da epiderme o vírus da varíola, retirado de uma pústula (no estado de maturidade) através de uma picada.

Mas descoberta a vacina, em Maio de 1796, por Jenner (médico inglês), o Capitão General dos Açores, não demorou a suplicar ao reino (no ano de 1806) a vinda de um médico para a introduzir, nos Açores.

Assim El-Rei ordenou que embarcasse no bergantim (embarcação do tipo galé) Conde d`Almada o cirurgião Estanislau José Coelho com dois enjeitados (protegidos pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa) que seriam vacinados durante a viagem, para que a vacina chegasse aos Açores em estado de produzir efeitos. As despesas até este arquipélago foram suportadas pelo reino mas as deslocações, entre as Ilhas dos Açores, pelas respectivas câmaras.

O cirurgião Estanislau José de Coelho, em Abril de 1807 veio à ilha de São Jorge, com um enjeitado inoculado para transmitir a vacina (braço a braço) ás crianças

Concluída a vacinação ordenou El-Rei que a o cirurgião regressasse a Lisboa, bem como os enjeitados, a não ser que a estes últimos pudessem ser educados e recebessem um “modo de vida” .

COM A VOSSA PACIÊNCIA FALEI, “PELA RAMA”, DESTE ASSUNTO PORQUE ACHEI CURIOSO O TRANSPORTE DA VACINA (EM HOSPEDEIROS HUMANOS) PARA GARANTIR A SUA EFICÁCIA.

 

António Gomes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *