Deputado António Pedroso afirma: ”Porto da Calheta continua sem condições para manobras de atracagem de navios”

IMG_0446

O deputado do PSD/Açores eleito por São Jorge questionou o Governo regional sobre a inoperacionalidade do porto da Calheta, uma infraestrutura recente que não oferece condições de segurança para que os navios possam lá fazer as manobras de atracagem, bem como as operações de carga e descarga.

Segundo António Pedroso, o navio da empresa Transportes Marítimos Graciosenses, que faz as ligações entre a Terceira e São Jorge, com paragens nos portos de Calheta e Velas, só operou durante duas semanas do mês de outubro na Calheta e viu-se obrigado a cancelar as operações nas outras duas semanas do mês devido à falta de condições no porto da Calheta para fazer face a condições atmosféricas mais adversas.

“A expectativa, tanto quanto conseguimos perceber junto dos armadores, é que esta situação se venha a prolongar durante o inverno devido ao mau tempo e aos rebentamentos que são esperados no porto como consequência da construção da Rampa RO-RO “, explica António Pedroso, subscritor do requerimento entregue hoje no parlamento açoriano.

O deputado do PSD/Açores eleito por São Jorge salienta ainda as consequências da inoperacionalidade do porto da Calheta para os comerciantes do concelho, com especial destaque para os comerciantes do Topo, nomeadamente ao nível do aumento substancial das despesas no transporte de mercadorias entre as Velas e a Calheta.

“Esta irregular frequência de atracagem repercute-se num aumento substancial da despesa com o transporte de mercadorias para as empresas do Concelho da Calheta que têm de fazer várias deslocações até às Velas para rececionar as mercadorias”, argumenta.

O deputado sublinha ainda que “o Natal constituiu uma oportunidade para os empresários aumentarem o seu rendimento e, em vez disso, vêm-se impedidos de receber a mercadoria a tempo, entre elas bens de primeira necessidade para os jorgenses, como aconteceu esta semana”.

Neste quadro, António Pedroso questiona o Governo: “Que mecanismos foram ou serão acionados para resolver este problema? A operacionalidade do porto ficará ainda mais condicionada durante o período de construção da Rampa RO-RO?”

GIPSD / Mark Marques | Info-Fajãs

24.11.2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *