Deputado André Rodrigues relembra garantia do Vice-Presidente do GRA – Fábrica de Santa Catarina vai manter-se na Calheta (Ilha de São Jorge) e sem redução de postos de trabalho

GPPS_DeputadoAndreRodrigues_plenMAR_InPixio

A manutenção de postos de trabalho, a continuidade da qualidade como garante da valorização do produto e a laboração no Concelho da Calheta, são os três pressupostos inseridos no caderno de encargos da operação de alienação de parte da empresa Santa Catarina.

“A Indústria Conserveira Santa Catarina, inserida no plano de reestruturação do Setor Público Empresarial, não vai sair de São Jorge, nomeadamente, da Calheta, conforme garantiu o Vice-presidente do Governo Regional dos Açores, esta semana na Assembleia Legislativa dos Açores”, sublinhou André Rodrigues. O Deputado do Grupo Parlamentar do PS/Açores recordou também as garantias dadas por Sérgio Ávila, no âmbito do debate sobre o Plano de Reestruturação do Setor Público Empresarial, de que na alienação de parte do capital da conserveira Santa Catarina, a Região mantém uma participação e que garante a manutenção do nível de emprego e da marca.

André Rodrigues, deputado eleito pelo círculo eleitoral de São Jorge, mostra-se satisfeito com esta medida que “salvaguarda os interesses dos jorgenses em geral, e dos calhetenses em particular” e considera que a entrada de um privado “pode trazer novos meios financeiros para que a fábrica possa dar mais um salto qualitativo, tanto na produção, como na qualidade de laboração”.

O deputado socialista afirma que, deste modo, havendo privatização da empresa têm de estar garantidos os pressupostos que levaram à sua intervenção e à compra por parte do Governo em 2009: “em primeiro lugar laborar no Concelho da Calheta e na Ilha de São Jorge, em segundo lugar manter o mesmo número de postos de trabalho, e por último a continuidade da valorização da sua marca.

“O privado que entrar, em conjunto com o Governo, não pode começar a pôr em causa todo o trabalho de valorização que se fez no produto ao longo destes anos”, ressalvou André Rodrigues. Para o deputado, este é o momento certo para esta reforma do Setor Público Empresarial: “estamos agora num novo ciclo com crescimento económico, com novas perspetivas de negócio para todos os empresários, e, por isso, consideramos que está na altura de começar a reduzir o volume de empresas no setor público empresarial”, contextualizou André Rodrigues.

GPPS / Mark Marques | Info-Fajãs

22.03.2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *