Venda de queijo “São Jorge” pode duplicar no Canadá. António Aguiar, Presidente da Uniqueijo diz haver muita procura.

IMG_6356_InPixio

O CETA, acordo comercial entre a União Europeia e o Canadá, vai permitir aumentar a quota de importação do queijo de São Jorge em 128% ao longo de seis anos. Trata-se de um valor importante – quase o dobro do que agora é permitido – já que a procura pelo produto, no mercado canadiano, é grande, diz António Aguiar, presidente da Uniqueijo.
“Vai ser faseado. A primeira percentagem é baixa, mas sei que alguns importadores já receberam quota por conta do acordo e que já houve um pequeno aumento nas exportações. A verdade é que eles queriam importar mais queijo e não podiam, porque já não tinham quota”, disse ao DI.
De acordo com António Aguiar, dada a alta procura do queijo jorgense, o produto chega a custar 100 dólares o quilo no Canadá. “É uma coisa maluca, mas se não fosse assim eles ficavam sem queijo logo no início do ano”, avançou o responsável, que revela que os emigrantes ainda são os maiores consumidores do queijo de São Jorge no Canadá, mas que a procura do mercado norte-americano tem vindo a aumentar.
Apesar das boas perspetivas trazidas pelo CETA, António Aguiar lembra que ainda são os queijos italianos aqueles que conseguem chegar com maior facilidade ao mercado canadiano. “Há um lobby muito forte por parte da Itália, que detém grande parte das quotas de importação de queijo no Canadá. Portanto, vai continuar a ser o queijo que mais vai aparecer lá”, sublinhou o presidente da Uniqueijo.

PROTEÇÃO IGP
Decorreu esta semana, no Canadá, a 39ª Reunião Interparlamentar União Europeia – Canadá. No encontro, em que participam eurodeputados, congressistas e senadores canadianos, discutiu-se, precisamente, o acordo de comércio livre, mas também as questões relacionadas com a imigração, as alterações climáticas e os oceanos.
O debate sobre o CETA contou com a participação de Ricardo Serrão-Santos, eurodeputado do PS, que considerou que uma das vantagens do acordo é a proteção dos produtos de origem geográfica certificada, como é o caso do queijo de São Jorge.
“Há muito trabalho ainda a fazer no sentido de intensificar as trocas comerciais entre os Açores e o Canadá mas muito já tem sido feito no sentido de aproveitar ao máximo a janela de oportunidade aberta pelo CETA, que, estou certo, impulsionará as exportações açorianas”, avançou o deputado.
O socialista considerou, entretanto, que os Açores têm assumido um papel importante no estreitamento das relações políticas e comerciais com o Canadá.
“Os canadianos de origem açoriana, quer os de primeira geração quer os de segunda e terceira, são verdadeiros embaixadores de Portugal e dos Açores.

Orgulham-se das suas origens açorianas e europeias e enaltecem frequentemente a qualidade do que se produz nos Açores. São a melhor promoção que uma região como os Açores pode ter, porque falam com conhecimento de causa”, sustentou, tendo referido, ainda, o prestígio da comunidade açoriana no Canadá “bem patente nos inúmeros portugueses e seus descendentes que desempenham funções políticas de grande responsabilidade no Canadá”.

Diário Insular / Mark Marques | Info-Fajãs

12.05.2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *