FALTA DE FOGUETES ENTRISTECE AS FESTAS DO DIVINO ESPÍRITO SANTO NA ILHA DE SÃO JORGE

CCCB

Problemas no transporte terrestre de foguetes, na Terceira, impediram o material pirotécnico de chegar ao destino final, São Jorge. Neste momento não há, naquela ilha, “fogo” para lançar nas festas do Espírito Santo.
Ao que o DI conseguiu apurar, o transporte deveria ter ocorrido em meados de abril. No entanto, constrangimentos relacionados com o limite de peso passível de ser transportado pela via terrestre, em carrinhas devidamente licenciadas, motivaram a intervenção da Polícia de Segurança Pública (PSP), que apreendeu o material no local, antes do embarque.
Fontes de DI sublinham outro problema, desta feita relacionado com o manuseamento de pirotecnia em São Jorge. Em causa estará a falta de um paiol que ofereça garantias de segurança.
Ainda assim, de acordo com informações recolhidas pelo nosso jornal, os constrangimentos estarão em vias de resolução, uma vez que estarão a decorrer negociações com o Comando Regional da PSP para encontrar soluções que possibilitem o transporte e o manuseamento seguro de material pirotécnico em São Jorge.

COROAÇÕES E TOURADAS
Os jorgenses têm dado conta da falta de foguetes, sobretudo nas coroações do Espírito Santo. A lacuna é tema de conversa nos vários pontos da ilha, onde se teme que a burocracia acabe com as tradições locais.
“É tradicional. No Espírito Santo há sempre foguetes e este ano não há nada. Tenho 57 anos e não me lembro de umas festas sem ‘fogo’. Não há alegria. É um silêncio triste”, sublinha Mark Marques, promotor do sítio http://info-fajas.pt.
Mas não é só nas coroações que fazem falta os foguetes.
No passado dia um de maio, na tourada da freguesia da Urzelina – que deu arranque à época taurina em São Jorge – em vez dos tradicionais foguetes ouviu-se um trompete a indicar a saída e a entrada do toiro na gaiola.
Ao que se sabe, a experiência de substituição foi bem-sucedida e o calendário de touradas à corda em São Jorge mantém-se – sem foguetes, mas com instrumentos de música.
“Correu tudo bem, porque as pessoas sabem quando podem ou não podem passar, quando é que o toiro está dentro ou quando é que o toiro está fora. E quando não sabem há sempre alguém para avisar”, sublinhou o jorgense.

Diário Insular / Oriana Barcelos

21.05.2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *