PRIMEIRA MISSA COM FIÉIS APÓS O CONFINAMENTO TOTAL – Igreja Matriz de Velas – Pe. António Duarte Azevedo (c/ vídeo)

P António Duarte

Horário das missas no próximo fim-de-semana:

Sábado dia 23 de maio
17h00 – Ribeira do Nabo
18h00 – Matriz de Velas
Domingo dia 24 de maio
10h30 – Beira
11h30 – Matriz de Velas
12h30 – Urzelina

As Igrejas Açorianas retomaram celebrações comunitárias com presença de fiéis esta segunda-feira dia 18.

A decisão foi articulada com as autoridades regionais de saúde, tendo em conta as orientações nacionais da Conferência Episcopal Portuguesa.
Reabertura do culto com fiéis será faseada.

As missas na diocese de Angra, com a presença de física de fiéis em sete das nove ilhas do arquipélago, foram retomadas esta segunda-feira, dia 18, dois meses e dois dias depois de terem sido suspensas a 16 de março.
A diocese de Angra é a primeira do país a retomar as celebrações comunitárias, embora o regresso dos fiéis seja gradual e faseado.

“Pede-se a compreensão para esta diferenciação, já que as situações de saúde pública também são diferentes” sublinha D. João Lavrador lembrando desta forma que esta reabertura faseada tem em conta a situação particular de cada ilha.

O prelado alerta para a exigência de “responsabilidade pessoal e comunitária” neste tempo de desconfinamento progressivo e gradual “de modo a não se infetar a si mesmo e nem infetar os outros”.

Por isso, as celebrações litúrgicas devem obedecer aos seguintes requisitos: garantir o distanciamento das pessoas; ausência de água benta nas pias, à entrada das portas das igrejas; disponibilidade de todos os espaços possíveis (sacristias, coro alto, salas anexas…) para que os fiéis se distribuam de modo a manter o distanciamento, salvo se forem da mesma família já a coabitar em casa.

Na carta orientadora enviada a todos os sacerdotes o bispo de Angra lembra que os bancos da igreja deverão estar mais distanciados “de modo a que não haja contactos pessoais de um banco a outro. Recomenda-se a lotação máxima de 2/3 da capacidade do templo, espaçamento de 2 metros”. É igualmente obrigatório o uso da máscara, que só deve ser retirada no momento da comunhão; é suprimido o abraço da paz; a comunhão é na mão e os ministros que distribuirão a comunhão usarão máscara e desinfetarão as mãos no início e no fim da referida distribuição.

A entrada e a saída da igreja será feita individualmente sem qualquer contacto entre os participantes.

Reportagem, imagem e edição – Mark Marques

Info-Fajãs – 21.05.2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *