Tédio (Opinião – Luciano Barcelos)

15350578_1188419237860787_7827610971915938122_n

Tozé, o meu gato preto e branco, é um filósofo. Gordinho, de olho vivo, passa longas horas no sofá a meditar. Acredito que saiba tudo sobre Platão e Sócrates, o grego. Do português, percebo eu!

Gosto de confrontá-lo com a política. Já viste como estes debates de pré-campanha são uma mão cheia de nada? Um quer um hospital em cada ilha – o Corvo teria mais médicos e enfermeiros do que habitantes – outro dá a volta à ilha de recuo (o mágico professor Rúben Oliveira fez o mesmo, mas de olhos vendados e com mais público) e outro ainda quer impor por decreto a centralidade da Terceira. Também há os que enchem o jornal oficial de presentes, anestesiando a pequena burguesia, habituada a que tomem conta dela.

A esquerda morreu com Zuraida Soares, a direita liberal foi-se com a fugaz passagem de José António Monjardino pela política. A social-democracia desvaneceu-se com Mota Amaral.

A tática substituiu a paixão e a ideologia.

Neste ponto, Tozé levanta o sobrolho e parece dizer-me: vota num destes, antes que te saia na rifa um populista qualquer, com um programa eleitoral cheio de contradições, colado a cuspo, e emproado em bravatas, como a da castração de homens e mulheres. De castração percebe o gato, já que lhe cortaram os ditos sem lhe terem perguntado a opinião.

É, portanto, a escolha de um mal menor?

É como engolir óleo de fígado de bacalhau, é amargo mas passa, sugere-me o animal antes de se afundar no sofá para mais um período de sábia meditação.

Vendo bem as coisas, se calhar promovo a candidatura do Tozé a deputado nas regionais de 2024. Desampara-me o sofá e vai dormir para o parlamento!

Os seus textos não serão redações da primária e nos raros momentos em que estiver acordado terá umas ideias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *