Manuel Azevedo Lança Novo Livro nas Festas da Madalena – Ilha do Pico

MA

Manuel Azevedo lançou, no passado dia 21 de julho, a sua mais recente obra, “Miscellanea Azorica”, na Biblioteca da Madalena – Ilha do Pico.

Editado pelo Município, o livro reúne diversos artigos publicados pelo autor ao longo dos últimos anos, assumindo-se como um retrato vivo e sentido dos Açores.

Enaltecendo o “incontornável” envolvimento cívico de Manuel Azevedo, José António Soares, Presidente da Câmara Municipal da Madalena, destacou o contributo deste picaroto, “para a valorização da identidade cultural e progresso social do Pico e dos Açores”.

Realizada por Manuel Tomás, a apresentação da obra terminou com a atuação de André Azevedo e a oferta de livros aos presentes.

Escrito de Manuel Azevedo autor do livro pós apresentação:

“Regressei à minha casa, em S. Miguel, feliz e contente pela maneira como decorreram as apresentações do meu livro, “Miscellanea Azorica”, na Madalena e em S. Caetano do Pico, meu concelho e freguesia natais, onde volto sempre com redobrado prazer.

Muita gente em qualquer dos lados, ao ponto de pessoas habituadas a isto terem dito que nunca viram tanta gente em ato semelhante. Sei que na Madalena, quando colocaram as cadeiras, acharam que eram muitas e como consequência tiveram de colocar mais filas. Em S. Caetano, perante a impossibilidade de colocar mais cadeiras, ficou gente de pé. Falo nisto a principiar, pois detesto ver plateias vazias.

A iniciar a sessão o Sr. Presidente da Câmara, também Presidente da Associação de Municípios do Pico e da AMRAA, referiu-se ao autor em tons elogiosos. Não é curial referir essas palavras, pois o elogiado é o autor destas linhas.

Na apresentação do livro, o Dr. M. Tomás, antigo colega do autor, numa bem urdida intervenção, desfilou vivências e emoções, não deixando de ser interventivo.

O autor, também disse umas palavras, referindo-se aos intervenientes e aos participantes.

O filho, João Paulo, e o neto, Tiago, referiram-se ao pai e avô, autor do livro, em tons elogiosos, que eu não vou citar pelas razões sabidas. Foi para mim uma surpresa agradável.

Quase a terminar, o jovem, André Azevedo, encantou, tendo sabido escolher canções conhecidas que toda a gente cantou.

A rematar, o autor entregou um livro, apoiado pela CMM, a todos, a quem cumprimentou.

Em S. Caetano, de referir que constituíam a mesa, além de José António Soares, PCMM, o apresentador, Comendador Manuel G. Serpa, a Dra. Ana Costa, Presidente da Junta de Freguesia, o Dr. Fernando Evangelho, natural dali e amigo do autor, elemento fundamental na edição deste livro e eu próprio.

A intervenção do Sr. Presidente da Câmara Municipal da Madalena, que presidiu ao ato, foi curta, mas sentida, ele que conseguiu tirar umas horas do seu tempo, no meio de festas tão exigentes, de que é o primeiro responsável.

O apresentador, que viveu muitas das realidades expressas no livro, prendeu a assistência, revelando coisas que ninguém sabia. Até cantou o hino dos caminheiros seminaristas, ele que, como o autor, foi chefe do Clan 25.

Eu, como autor, disse algumas palavras, referindo-me ao livro e a algum do seu conteúdo.

O Grupo Folclórico fez uma curta, mas interessante atuação, pondo em relevo o seu caráter etnográfico e começando por aquela canção que encanta locais e forasteiros, cuja letra é do Manuel Serpa, apresentador do livro. Transcrevo o coro: “Baía, baía, tu és a primeira, é fama que corre pela ilha inteira! Prainha, orgulhosa do seu Galeão. Fartura e louvores na Terra do Pão.”

Por fim, o autor entregou um livro a cada um dos presentes, cumprimentando-os, emocionado.

Não poderia terminar este escrito, sem referir os muitos picoenses, alguns vindos de longe, e, também, alguns faialenses que, propositadamente, se deslocaram para as sessões, quer na Madalena, quer em S. Caetano.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *