Azores Fringe faz cinco anos com 70 eventos nas nove ilhas – TERRY COSTA, DIRETOR ARTÍSTICO DA MIRATECARTS

_MG_4947_c_pia

A quinta edição do Azores Fringe arranca amanhã e estende-se até 30 de junho. Que destaques tem o festival, este ano?


O Azores Fringe, festival dos festivais de artes, como começou a ser referido nas redes sociais, tem várias secções, programas ou até mesmo festivais dentro do seu próprio calendário de atividades. Esta, a quinta edição, abre com a presença da Festina Lente, um projeto artístico em veleiros a navegar por portos do mundo, que chegará ao Porto da Madalena amanhã com circo, música e dança num cabaret para toda a família. O grupo de 30 artistas ficará no Porto da Madalena, durante o fim de semana, providenciando workshops, muita arte e performances para a população em geral, e depois segue para o Corvo e para as Lajes das Flores. O terceiro Encontro Pedras Negras, a acontecer de amanhã a domingo, no Pico, acolherá 24 escritores e o Encontro & Expedição Fotográfica nas Flores tem um grupo de 14 artistas, prontos a explorar o ponto mais ocidental da Europa, de 9 a 12 de junho. Quarenta artistas, de 12 países e de várias regiões de Portugal e ilhas, fazem da vila da Madalena, Pico, a sua casa para o programa “Artistas em Ação”. Desde a pintura às instalações, aos trabalhos académicos com veia artística, à exploração de assuntos sociais e educativos, os artistas descerão à ilha montanha, vindos desde a Índia à Colômbia. O programa “Artistas em Ação” é dedicado a intervenções ao ar livre, a visitas a escolas, centros de crianças e de terceira idade, e à pesquisa e desenvolvimento de novos trabalhos artísticos. O programa +Arte Corvo continua pelo terceiro ano consecutivo, na ilha mais pequena do arquipélago. O ateliê de Kaasfabriek, em São Jorge, é o anfitrião do Fringe na ilha do dragão, acolhendo arte e artistas desde as ilhas ao estrangeiro. Santa Maria, Terceira e Graciosa recebem sessões do shorts@fringe que, este ano, apresenta 136 filmes provenientes de mais de 50 países. A programação no calendário Fringe para São Miguel conta com a cortesia da Associação de Juventude Viola da Terra. O encerramento da quinta edição do Azores Fringe acontecerá a 30 de junho, na ilha Faial, aquando do nascimento do LAFA – LanternArt Festival Azores. É de referir, ainda, que dezenas de artistas apresentarão os seus trabalhos em eventos únicos nas três vilas da ilha do Pico, incluindo eventos na Paisagem Património Mundial da Cultura da Vinha da Ilha do Pico e atividades na Madalena Roteiro de Arte Pública, que inclui visitas em bicicletas.

O festival foi criado no Pico, mas a programação já chega às nove ilhas. Como evoluiu o Azores Fringe Festival nestes cinco anos?


Desde os dez dias de eventos, no primeiro festival, a mais de um mês de programação no calendário Fringe, a evolução tem muito a ver com as parcerias que, durante estes cinco anos, foram sendo estabelecidas e alimentadas. Este ano estamos a apresentar mais de 70 eventos públicos nas nove ilhas, para além de dezenas de programas com escolas e centros de acolhimento no epicentro do festival, vila da Madalena, algo que no primeiro ano nem considerávamos possível. 

Este ano, o Fringe apresenta trabalhos de 300 artistas. Que desafios encontra na realização de um festival desta dimensão?


O maior desafio é conseguir acolher quem quer vir até nós. A MiratecArts tenta, o mais possível, apoiar os açorianos a movimentarem-se inter-ilhas e a desenvolverem os seus projetos, mas temos propostas de centenas de artistas do estrangeiro, que estão dispostos a investir na sua vinda até aos Açores, se conseguirmos apoiá-los, por cá, com infraestruturas para apresentarem os seus trabalhos. Este ano conseguimos apoiar 5% das propostas a esse nível, porque nem sempre temos o que é necessário para os artistas e para o providenciar exigiria, da nossa parte, um orçamento muito maior do que o que conseguimos via candidaturas, publicidade ou apoio privado.

O aniversário será comemorado com a diretora do WorldFringe, Holly Lombardo, que se desloca ao Pico. Que visibilidade poderá dar este reconhecimento dentro da rede Fringe?
O Azores Fringe já está bem integrado na rede internacional Fringe que, este ano, engloba mais de 250 festivais. A minha participação, em pessoa, na conferência internacional Fringe, que aconteceu em 2014, em Edimburgo, a cidade mãe do Fringe, e que teve uma audiência de 150 diretores de festivais, foi muito importante para uma visibilidade que não tem preço. Agora, a diretora do WorldFringe, escolhendo o nosso festival para visitar este ano e assim marcar este patamar a que muitos festivais não chegam, nos primeiros cinco anos, mais uma vez vai chamar a atenção de todos os produtores e diretores desde Tóquio a Curitiba, o que, novamente, leva o nome dos Açores aos quatro cantos do mundo. Não se consegue medir este tipo de visibilidade, porque não se pode medir tudo no mundo. Um exemplo é que no passado inverno tivemos uma visita de um casal dos EUA na ilha do Pico, que veio ter aos Açores porque viu o programa do Azores Fringe em Seattle e, assim, decidiu aventurar-se para pesquisar onde estavam as ser produzidos eventos Fringe. Em 2016 tivemos propostas oriundas de 107 países – como se mede este tipo de visibilidade?


Este ano, serão assinalados também cinco anos da criação da associação MiratecArts. Este projeto tem evoluído como imaginou?


A MiratecArts foi um teste pessoal abraçado por amigos. Nunca imaginei evoluir desta forma, neste formato e conseguir tanta presença em pouco tempo. Tenho que admitir que há muito trabalho, muitas horas investidas por detrás disto tudo, para os mais de 20 projetos que englobam a família MiratecArts, alguns sem qualquer apoio monetário e outros que, mesmo atingindo uma visibilidade incomparável, como o Fringe, não conseguem um orçamento equivalente a um dia de festa de verão. São os esforços de todos os participantes e a nossa paixão que são a chave do sucesso. Para o ano que vem pode não haver nada, por isso é melhor aproveitarmos estes momentos e fazermos o máximo deles. Vamos ao Fringe.

Diário Insular / Mark Marques | Info-Fajãs

26.05.2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *