BENFEITORA DA FREGUESIA DE ROSAIS É HOMENAGEADA – Ilha de São Jorge (c/ reportagem fotográfica)

IMG_0547

No passado dia 15, e integrado nas Festas de Rosais, na freguesia de Rosais, concelho de Velas, Ilha de São Jorge (Açores),foi homenageada a título póstumo ROSA DIAS, mais conhecida por Dª Rosinha Dias.

Marília Freitas, Presidente da Junta de Freguesia de Rosais na sua intervenção durante a sessão salientou o seguinte:

“É uma honra estar aqui presente para o descerramento da Placa Toponímica que vai dar o nome a esta Rua.

A partir de hoje esta Rua passar-se-á a chamar “Rua Dona Rosinha Dias” por ter sido nesta mesma rua que residiu esta benfeitora desta Freguesia.

Esta homenagem à D. Rosinha Dias foi uma iniciativa da Junta de Freguesia, aprovada por unanimidade em reunião da Assembleia de Freguesia.

Mesmo sem o sabermos na altura, coincide com o ano em que se comemora o centenário do seu nascimento.”

Marília Freitas também descreveu um pouco quem foi Rosa Dias:

“Rosa Dias, mais conhecida por “Rosinha Dias”, nasceu a 10/10/1917 e faleceu a 29/10/2000 com 83 anos de idade.

Dedicou a sua vida à sua freguesia nomeadamente exercendo serviços de “enfermeira” e pela sua dedicação aos Serviços Religiosos.

Em relação à área de enfermagem, trabalhou na Casa do Povo desde o ano de 1966, como ajudante de enfermeira.

Diz quem a conheceu (e passo a citar) “que era uma apaixonada pela enfermagem e pelo bem do próximo: herdou esses dons de seu pai, e aprendeu coadjuvando-o desde muito nova.

Surtos de tifoide, de peste, de gripe, que vitimaram muita gente, exigiram-lhes um trabalho insano e de grande risco, acudindo, por solicitação médica, a uma assistência domiciliar, em muitos casos mais de uma vez por dia, para injetar quem disso precisava, salvando vidas com o risco de perder a sua própria por contágio – o que aconteceu num surto de tifoide nos anos 30 do século passado, quando não eram conhecidos e aplicados ainda os milagrosos antibióticos.

Todo o material utilizado no exercício da enfermagem era comprado na farmácia da Santa Casa da Misericórdia de Velas, à sua custa, fosse para injetar, fosse para serviços curativos, expediente que exigia sacrifícios económicos a quem vivia com algumas dificuldades.

Os médicos lhe confiavam até a aplicação de injeções nas veias, e nunca se ouviu dizer que alguém tivesse sofrido qualquer trauma por infeção ou má aplicação nas milhares de injeções por ela aplicadas.
Também cuidava de doentes com primoinfeções pulmonares, duas vezes por dia, evitando a deslocação a Velas, ao tempo a pé, de quem a sua saúde, por vezes, a sua vida, se deveu aos cuidados generosos dela”

Relativamente aos serviços religiosos, diz também quem a conheceu (e passo a citar) “que sempre se lembram de ser ela quem lavava e engomava as albas, as toalhas dos altares, os sanguinhos, tudo o que tinha a ver com o expediente litúrgico da nossa paróquia, incluindo a limpeza da igreja, em que só quando era lavado todo o chão era auxiliada por senhoras da freguesia que ofereciam a sua ajuda em tão duro trabalho.

As hóstias necessárias ao culto quotidiano nas paróquias de Rosais, Velas, Urzelina e também Santo Amaro, eram fabricadas por ela, com farinha do seu trigo, moído na atafona familiar, fabricadas com ferros próprios e moldadas para o culto religioso.

Ela própria muitas vezes serrou e fendeu toros de urze das suas matas, cujas achas tornava em brasas para fazer as hóstias, bem como para derreter cera para fabrico de círios e velas, especialmente na época da segunda guerra mundial, pois não havia dinheiro nem o que comprar”.

O Info-Fajãs esteve presente e fez reportagem fotográfica da sessão.

Fotografias e texto – Mark Marques

Info-Fajãs – 22.08.2017

Para ver reportagem fotográfica completa, clique abaixo em:

https://www.facebook.com/pg/mark.marques2016/photos/?tab=album&album_id=1719384095021846

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *