A Calheta (São Jorge) e Angra do Heroísmo (Terceira) não podem ficar dois anos fora do mapa a ver passar navios!” Afirma a deputada Catarina Cabeceiras

Calheta Vila

Na sequência da inviabilização da urgência e dispensa de exame em Comissão do projeto de resolução sobre as ligações marítimas diárias entre Angra do Heroísmo e a Calheta, pela maioria socialista, a Deputada do CDS, Catarina Cabeceiras, afirmou que “o adiamento do debate impede que sejam discutidas soluções efetivas e imediatas para fazerem face ao constrangimento das ligações marítimas no Grupo Central, em virtude do acidente do Mestre Simão e da decisão do Governo Regional de suspender a Linha Lilás”.

Catarina Cabeceiras referiu ainda que “é importante reforçar que o PS ao impedir o debate, demonstra que não quer contribuir para uma intervenção atempada nem quer tomar medidas a tempo de serem aplicadas antes do início da próxima operação de verão”.

Para a Deputada do CDS, “o isolamento e a descontinuidade do território insular fazem do transporte marítimo um meio de ligação entre ilhas, fundamental para a mobilidade dos açorianos. A prepotência e a negligência que a maioria socialista e o governo assumem em relação às ligações marítimas no Grupo Central, que estão seriamente afetadas, condicionarão a operação de verão e, por consequência, o desenvolvimento económico das ilhas”.

Considera também que “a solução adotada, de cancelamento da linha lilás, coloca em causa o trabalho de vários anos, sendo sem dúvida prejudicial à dinâmica social, económica e turística existente entre Calheta e Angra do Heroísmo, que tem sido uma importante mais valia, na consolidação do mercado turístico das ilhas do Grupo Central, ligando dois concelhos onde sempre existiu grande proximidade”.

Para Catarina Cabeceiras, “a Calheta e Angra do Heroísmo não podem ficar dois anos fora do mapa a ver passar navios!”.

GPCDS-PP / Mark Marques | Info-Fajãs

28.03.2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *