A UNIÃO FAZ A FORÇA – (Opinião – Luís Garcia)

unnamed
  1. Num período relativamente curto várias centenas de Faialenses saíram à rua, por duas vezes, para manifestar a sua insatisfação com as acessibilidades aéreas e, sobretudo, para exigir mais respeito pela sua ilha. Saúdo os que tiveram coragem e disponibilidade para participar na última manifestação e felicito o Grupo do Aeroporto da Horta pela persistência e capacidade de mobilização. O exemplo de cidadania ativa que as pessoas que integram este Grupo têm dado à sociedade faialense e açoriana é digno de registo.
  2. Porém, este trabalho está longe de atingir os objetivos pretendidos, pelo que temos todos de continuar e persistir nesta luta.

O principal obstáculo que temos pela frente é um Governo Regional e uma administração da SATA que revelam, a cada dia que passa e cada decisão que tomam, uma preocupante má vontade em relação ao Faial. Isso ficou mais uma vez evidente. Desde logo, a Secretária dos Transportes, que estava na Horta no dia da manifestação, nem se dignou ir ao encontro dos manifestantes. Depois, à semelhança do que fizera o presidente da SATA no ano passado, a Secretária tem manipulado os números para tentar justificar a diminuição de ligações de e para o Faial.

 

  1. Quem aparentemente mudou de atitude foi o Presidente da Câmara, que afinal já foi eleito para ir a manifestações. Se, por um lado, se saúda a sua presença nesta manifestação (aliás já devia ter estado na primeira!), por outro, ela também indicia que o diálogo, que ele diz ter mantido e privilegiado ao longo do tempo, não deu resultados. Neste contexto a sua participação tem um duplo sabor a derrota. Derrota do diálogo institucional e derrota do Presidente da Câmara que finalmente deve ter percebido que a sua influência junto do Governo e dos seus camaradas regionais é próxima de zero. O que se lamenta é que tenha levado tanto tempo a perceber e, sobretudo, a reconhecê-lo. Espera-se que, a partir de agora, não tenha medo de se juntar ao povo e lutar ao seu lado.

 

  1. Até aqui o nosso edil tem pautado a sua atuação neste domínio não pela conjugação e articulação de esforços, mas sim pela competição com todos os outros atores políticos e mesmo com a sociedade civil, procurando ser ele a chegar primeiro à meta com a bandeirinha. E, nesta ocasião, bem tentou de novo. Procurou esvaziar a reunião do Conselho de Ilha, agendada para o dia 19 de março, com as acessibilidades na ordem do dia, encontrando-se antes, quase às escondidas, com a Secretária dos Transportes e com o Presidente da SATA. Foi de “orelha murcha” para a reunião pois nada conseguiu e nem ele nem o Presidente do Conselho de Ilha (que também participou na reunião secreta) nada disseram aos conselheiros. Deslealdade institucional!

Mas, no dia seguinte, reuniu novamente com a Secretária procurando uma boa notícia que desmobilizasse a manifestação agendada. Com o mesmo objetivo ainda declarou que não tinha sido eleito para andar em manifestações e, em surdina, muitos dirigentes socialistas diziam que a manifestação estava politizada. Mas, a verdade, é que, chegado o momento e sem resultados, resolveram juntar-se à força do povo. Finalmente. Bem-vindos!

 

  1. No quadro político atual assalta-me ainda uma outra dúvida. Quando constatamos esta forma de atuar do Governo e da SATA contra os interesses do Faial, interrogo-me de qual tem sido o papel do membro do Governo que é oriundo do Faial? Perante tamanho ataque ao Faial o Secretário Regional do Mar nada diz e nada faz? Não dá um murro na mesa das reuniões do Conselho de Governo? Era interessante percebermos de que lado está…

 

  1. Nesta luta o que interessa não é o sucesso deste ou daquele político ou cidadão; o que unicamente interessa é o sucesso do Faial. Para tal é absolutamente crucial que os Faialenses e as suas Instituições estejam unidos e estrategicamente articulados. Isso implica disponibilidade de todos e humildade de algumas individualidades de ego grande para perceberem que sozinhos muito dificilmente conseguirão o sucesso que almejamos. Esta problemática das acessibilidades pela sua complexidade, pelos obstáculos inesperados que tem encontrado e, sobretudo, pelo impacto que tem no nosso presente e futuro, exige um verdadeiro pacto que defina uma estratégia comum de atuação. Enquanto responsável político estou, como sempre estive, disponível para esse pacto e para trabalhar com seriedade e lealdade. Esta não é uma luta deste ou daquele Partido, deste ou daquele Governo. É acima de tudo uma luta do Faial e para o Faial e aí estou convencido que a união faz a força e pode fazer toda a diferença.

Luís Garcia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *