PÃO POR DEUS, PÃO POR DEUS (Opinião – Jorge Silveira)

13325582_10201745552236043_3458816054565884656_n_InPixio

Pão por Deus, pão por Deus! Um clamor que esvoaçava no ar indo esconder-se nas grutas e arvoredo da encosta da vila, um rumorejar dum remanso de preia-mar que ia paulatinamente subindo após o toque das trindades.
Pão por Deus gritavam álacres miúdos de todas as idades, tendo nas suas mãozinhas saquitas de retalhos parecendo borboletas coloridas, volteando em breves voos de futuro incerto.

Os moradores ainda amodorrados aos últimos sonhos eram obrigados a levantar-se, não fosse cair a casa com o crepitar das argolas, campainhas, martelos ou as aldrabas das portas, os (pica-porta).

Ensonados entreabriam a porta e entregavam o ambicionado pão por Deus: moedinhas minúsculas de dez centavos, figos passados, laranjas, caramelos caseiros, ou outra qualquer doçaria. Geralmente quase faziam beicinho se era uma maçaroca de milho, uma abóbora ou outro bem comestível.
-Tudo que nos oferecem aceitamos! – Cada um dá o que pode – sentenciavam os pais em casa. Assim ensaiadas as crianças aceitavam tudo levando uma saca maior para tal.
Se por acaso não abriam as portas ou não davam nada, cantavam maldosamente: (se haveria maldade naquelas idades)

“ Maçaroca vermelha
maçaroca rajada
tranca no cú
a quem não dá nada”

Este assalto à pacatez do povoado terminava ao soar das badaladas do meio-dia no campanário da igreja matriz. Os parentes ou os padrinhos sempre abriam os cordões à bolsa com uma moedinha mais avultada, de forma que por vezes no fim da coleta, os miúdos pobres como eu poderiam chegar à quantia de cinco escudos, que iam diretamente para o mealheiro.
A juventude hodierna americanizou-se com o Halloween, mas a tradição ainda persiste.
Por mim estarei esperando as criancinhas com a minha tigela de rebuçados, com a mesma alegria de há sessenta anos, embora não minta se disser que solucei e me caiu umas lágrimas ao regressar a estas memórias do passado

31.out.2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *