Fajãs de São Jorge vendidas a interesses externos à ilha

IMG_5908

Ruínas adquiridas nas fajãs de São Jorge por empresas e particulares, todos exteriores à ilha, já atingiram os 400 mil euros por unidade – segundo fontes particulares e oficiais, incluindo autárquicas, consultadas pelo DI
O custo normal de uma ruína oscila entre os 80 e os 150 mil euros, mas são muitos os casos de ruínas adquiridas por mais de 200 mil euros.
No total, empesas e particulares exteriores a São Jorge já terão adquirido perto de centena e meia de ruínas em fajãs emblemáticas como Cubres e Santo Cristo, embora o fenómeno abranja uma enorme quantidade de fajãs.
Há fajãs, como a do Belo ou a do Cavalete, que já terão sido adquiridas por uma única família, segundo as informações que conseguimos recolher.

RESORT DE LUXO
Ainda de acordo com os dados que obtivemos, estará em curso um projeto para a aquisição total das ruínas da fajã do Sanguinhal, desabitada, mas considerada um autêntico paraíso natural.
O projeto para o Sanguinhal, segundo os dados que conseguimos obter, passa pela construção de um “resort” de luxo, com acesso exclusivo por helicóptero.
Um advogado, em representação de uma empresa internacional, já se deslocou várias vezes a São Jorge. Segundo conseguimos apurar, pelo menos metade das ruínas do Sanguinhal terá sido já negociada com os proprietários, estando em aberto a aquisição das restantes ruínas.
As casas do Sanguinhal foram construídas em pedra trabalhada, pelo que as ruínas estarão em bom estado para recuperação total, excetuando tetos, janelas e portas

TURISMO GERAL
O objetivo de todas estas aquisições tem a ver com o negócio do turismo. As ruínas já recuperadas começam a ser ocupadas por turistas, sendo criados postos de trabalho locais sobretudo nas áreas de manutenção e limpeza.
Segundo as informações que obtivemos, a opção para a recuperação das ruínas parece respeitar as medidas de salvaguarda aprovadas para as fajãs de São Jorge, sendo esse modelo de recuperação considerado uma mais-valia para o próprio negócio do turismo.
A construção civil tem sido um dos setores mais beneficiados em São Jorge com a aquisição de ruínas nas fajãs.
Segundo fonte autárquica, a capacidade de resposta das empresas de construção civil de São Jorge estará esgotada face à procura, que é intensa.
A recuperação de algumas das ruínas em causa é difícil, uma vez que o acesso não é praticável para viaturas de transporte. A solução encontrada tem passado pelo transporte dos materiais em motorizadas (moto4), o que tem influência na lentidão dos trabalhos. É possível que dentro de alguns anos a oferta de casas para turismo nas fajãs ultrapasse as 500 unidades.

NOTA PESSOAL

Como Jorgense fico preocupado de sobremaneira com esta situação, porque a Ilha de São Jorge com as suas Fajãs poderá ser transformada em algo que nós os Jorgenses não queremos. Fica a preocupação aos Jorgenses e a todas as entidades públicas da Ilha e da Região.

Diário Insular / Mark Marques | Info-Fajãs

 

08.09.2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *