PRESERVAR COM “SENSIBILIDADE E BOM SENSO” – (ARTIGO DE OPINIÃO – José Goulart Teixeira) (c/ reportagem fotográfica do próprio))

11959970_884830614921081_5785439921607255159_n_InPixio

Como frequentador assíduo da Caldeira de Santo Cristo, é com profunda indignação que assisto à degradação deste recanto, que a cada dia que passa, parece-me mais distante do lugar paradisíaco que tanto se publicita nos mais variados meios.

As autoridades responsáveis são céleres a ditarem regras que acham pertinentes para a melhoria deste espaço, contudo algumas delas são bem questionáveis no âmbito de quem lá reside, a Portaria 59/2018 de 4 de junho do Governo Regional dos Açores parece ter ignorado a opinião dos residentes e proprietários, é uma tremenda insensatez proibirem a livre circulação a qualquer hora dos seus residentes, seja por que motivo for, este espaço é das pessoas, sobretudo de quem lá vive, e estes não podem ficar impedidos do seu meio de transporte seja a que horas for. Falamos de meia dúzia de residentes que nunca causariam mal maior aos visitantes. Isto é penalizar quem lá vive em prol de quem os visita, (descrimina-se negativamente quem lá vive e positivamente quem lá passa).

Impossibilitar o transporte de haveres na chegada e partida até às residências em moto 4 de visitantes, em período diurno é francamente questionável.

O que chamam de “estacionamento” disponibilizado aos visitantes é francamente mau, sem muito a comentar….

O que chamam de “parque de campismo” qualquer pessoa que lá chegue por certo terá dificuldade em associar o nome ao espaço.

O acumular de botijas de gás e lixo é vergonhoso e inadmissível.

Perante isto, existem responsáveis que por desleixo, incúria, incompetência permitem, que estas situações se arrastem no tempo, usufruindo de todas as regalias dos seus cargos (€) imiscuindo-se das suas responsabilidades. Torna-se evidente que a requalificação do ex-libris da ilha merece uma séria reflexão e ação conjunta, com gente capaz de levar adiante, com paixão e empenho de uma vez por todas, um plano que se quer abrangente nas áreas de serviços, transportes, acessos, abastecimento, limpeza e fiscalização entre outros, para isso querem-se pessoas da terra e outros que tomem esta causa como sua, para bem do futuro que se quer próximo e que nos venha a orgulhar a todos.

Vila do Topo, 30 de outubro de 2018

Para ver reportagem fotográfica sobre este artigo de opinião, clique em:

https://www.facebook.com/profile.php?id=100001824518105&sk=photos&collection_token=100001824518105%3A2305272732%3A69&set=a.2197040650366731&type=3

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *