MESMO SEM ÓCULOS (Opinião – Aires Reis)

18309113_10212488921199035_2039734006_n

Li num jornal da Região que o Dr. Vasco Cordeiro, tinha classificado a vitória socialista, nas eleições de domingo passado, como “grande e saborosa”.

Trata-se de declarações “a quente”, num ambiente emotivo, como sempre acontece nas vitórias eleitorais, que não queremos agora censurar.

Dona Abstenção, essa sim, pode vangloriar-se com uma “grande” vitória e, hoje, “saborear” não só o desânimo de todos os partidos, mas também a enganadora fantasia daqueles que venceram.

Afinal, D. Abstenção está a conseguir impor-se, não só aos projectos políticos, mas principalmente ao sentido de cidadania dos açorianos.

A conquista da democracia, que possibilitou aos cidadãos, maiores de idade, escolherem por voto directo os seus representantes, ou através do voto branco transmitirem uma mensagem de rejeição às políticas apresentadas, permite ainda, por outro lado, não votar. Ou seja, deixar que os outros decidam por si.

Quando oitenta por cento dos açorianos preferem que os restantes vinte decidam sobre o seu futuro, não será difícil concluirmos que estamos perante um grave problema de cidadania na nossa sociedade – a indiferença.

Mas, para quase tudo existe um remédio, como diz o velho ditado. E a receita poderia passar naturalmente pelo sistema de ensino, se os poderes políticos não encontrarem nisso um entrave à sua própria comodidade.

Ensinar os futuros homens e mulheres desta terra, a importância do exercício de cidadania também na política, talvez fosse um grande contributo. E, já agora, aproveitar essa oportunidade para esclarecer os jovens desta região, que o sistema democrático não é irreversível, mas sim uma semente que precisa de ser regada.

Aires Reis, 30.05.2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *