REBUÇADOS SIMPSON – (Opinião – Aires Reis)

18309113_10212488921199035_2039734006_n

O que diriam os Terceirenses se lhes oferecessem um rebuçado para compensá-los da falta de ligações aéreas com Lisboa?

Ou os Micaelenses, se lhes retirassem o estacionamento dos aviões da SATA mas, em compensação, oferecessem uma viagem extraordinária do navio Gilberto Mariano para as festas do Senhor Santo Cristo?

Como se diz cá na terra, havia de ser bonito!

Ninguém, eleito pelo voto popular – e, por isso, seu legítimo representante – deve partir do princípio que o povo é Simpson. Quando assim acontece, está-se a esquecer que, normalmente, o povo elege a pessoa com quem mais se identifica.

Os jorgenses, por seu lado, parecem aceitar com resignação o tal rebuçado em troca das ligações marítimas de passageiros com a ilha Terceira – a intitulada Linha Lilás. Isto, pelo menos, será o pensamento do senhor Presidente do Governo dos Açores.

Aliás, terá assumido isso mesmo, por interposta pessoa, numa carta dirigida à Assembleia Municipal da Calheta, respondendo a uma reivindicação unânime de todas as forças políticas ali representadas, quando confrontado com a nossa indignação pela suspensão provisória (sabe-se lá por quantos anos) destas viagens.

A sua resposta foi fria. Limitou-se a descrever o problema originado pelo acidente do navio Mestre Simão, a 6 de janeiro, na Madalena, revelando, em quatro parágrafos, uma inesperada falta de solidariedade.

Tratando-se de um assunto que condicionará significativamente a economia desta ilha, esperava-se uma resposta à altura. Pelo contrário, nem manifestou qualquer intenção de procurar soluções alternativas e, pior do que isso, nas entrelinhas, depreende-se um preocupante desinteresse por esta causa.

Afinal, parece mesmo existirem cidadãos de primeira e de segunda. Terras importantes e outras menos.

Se dúvidas existirem, podemos fazer um simples exercício de imaginar as diferenças entre uma resposta preparada para a Assembleia Municipal de Angra ou de Ponta Delgada e aquela que foi dada à Calheta.

A resposta seria esta? Ou melhor até, o assunto seria ou não resolvido?

Mas voltando à missiva, no seu quinto e último parágrafo vinha então, imagine-se, a boa notícia (o tal “rebuçado”). Aquela boa nova que deixaria presumivelmente a população do concelho da Calheta feliz.

Com algum embaraço, reconheço, vamos transcrevê-lo:

“Por isso, e no sentido de responder da melhor forma possível às necessidades do Concelho, estão garantidas, com o navio Gilberto Mariano, as ligações à Calheta durante as festividades concelhias, ou seja, em 13 e 15 de julho.”

Na realidade, o sucesso dos festivais depende da participação das pessoas. Mas confundir-se a economia de uma ilha com três dias de festas é, no mínimo, caricato. Da nossa parte, não queremos sequer pensar que esta resposta seja, também, um reflexo da actual governação.

Caro leitor, ao ler este artigo poderá até pensar que o mais grave daquela carta será o seu conteúdo, ou até mesmo a infantilidade do último parágrafo. Mas não!

O que mais nos entristece será sim o nível de respeito e de consideração que os governantes revelam pelas pessoas desta terra.

Isto, porque a primeira é a consequência da segunda. E a segunda só acontece, porque anda muita gente por aí um pouco distraída.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *