As Donas Amélias (por Creusa Raposo)

Foto DA

A visita régia ao arquipélago dos Açores e da Madeira, que ocorreu no Verão de 1901, colocou a população em azáfama profunda na preparação da recepção dos reis D. Carlos e D. Amélia. Para além da alegria do povo açoriano e empenho das entidades locais, a imprensa da época elucida-nos do desagrado sentido pelo partido da oposição que tentou inverter a situação em proveito próprio.

“Em Angra do Heroísmo, outrora capital da Regência, o rei assumindo-se como “liberal e português” agradeceu e recordou a epopéia dos seus Augustos Avós naquele “retalho abençoado da terra portuguesa”. A lealdade e a devoção cívica dos açorianos foi amiúde enaltecida por D. Carlos, que atribuiu sempre as calorosas recepções de que era alvo à constante fidelidade do povo açoriano, e terceirense, em particular, à dinastia de que era membro e à pátria portuguesa.” (SERPA SILVA, 2001:168)

Como recompensa a elite da ilha Terceira confeccionou um doce para presentear os monarcas, que viria a tornar-se num ícone da doçaria açoriana e que tomou o nome da rainha D. Amélia.

A iguaria foi adaptada do “Bolo das Índias” fruto da história de Portugal e dos Açores com a utilização de diversas especiarias trazidas dos novos espaços geográficos com que os portugueses iniciaram contacto, tais como a canela, o mel de cana e a noz moscada a partir da era de quinhentos.

Duas pastelarias reclamam a autoria: “O Forno” e “O Banquete” em Angra do Heroísmo, sendo possível encontrar cerca de cinco receitas diferentes.

INGREDIENTES:

  • 500 gr. de açúcar
  • 9 gemas de ovos
  • 4 claras em castelo (neve)
  • 200 gr. de manteiga (derretida e fria)
  • 1 colher de sopa de canela em pó
  • 200 gr. de farinha de milho
  • 6 colheres de sopa de mel de cana
  • 100 gr. de uva passa
  • Raspa de 1 limão pequeno
  • 1 pitada de sal
  • 1 colher de sobremesa de noz moscada

 

PREPARAÇÃO

Bate-se o açúcar com as gemas até criar uma massa presa, para então juntar a canela, as passas, o cidrão, a noz moscada, a raspa de limão e o sal.

Em seguida, continua-se a bater mais um pouco e quando estiver bem ligado, adiciona-se a manteiga derretida e fria, as claras batidas em neve e, por fim, a farinha e o mel.

Bate-se novamente a massa até dar total ligamento.

Ao terminar de bater, coloque a massa em pequenas formas (untadas e polvilhadas) e leve ao forno não muito quente em tabuleiros.

Após cozer, deve-se retirar os tabuleiros e cuidadosamente as queijadas das formas.

Por fim, polvilhe com açúcar refinado e delicie-se com um doce tradicionalmente açoriano.

 

Fonte: http://deliciasecompanhia.blogspot.com/2008/05/donas-amlias-o-doce-da-rainha.html

 

Para mais informações note-se “A Visita Régia” em Revista Insulana e “Em torno da visita régia de 1091 aos arquipélagos da Madeiras e dos Açores” de Susana Serpa Silva.

Um especial agradecimento à pastelaria “O Forno”.

Fotografia – Montra alusiva à queijada e bolo D. Amélia. Pastelaria “O Forno” em Angra do heroísmo, Terceira.

Fonte: Fotografia de Creusa Raposo, 2019.

Creusa Raposo – Licenciada em Património Cultural e mestre em Património, Museologia e Desenvolvimento pela Universidade dos Açores/ SIAA.

Este texto não segue o novo acordo ortográfico da Língua Portuguesa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *