A VACA – (Opinião – Luciano Barcelos)

15350578_1188419237860787_7827610971915938122_n

Nos anos setenta, na ressaca do PREC, tive uma vaca chamada Cornélia. Nunca percebi porque ma compraram a não ser para me infernizar a vida.

A Cornélia, preta e branca, tinha um feitio tempestuoso. Não cheguei a saber se era revolucionária ou simplesmente mau carácter. O certo é que se a colocava num pasto ela partia cancelas e amanhecia noutro. E para lhe tirarmos o leite tínhamos de ser céleres. Ao fim de dez minutos, mandava uns coices e pisgava-se. Tinha de a ordenhar logo pela manhã, antes que ela oferecesse o leite ao bezerro.

No inverno era duro e só um cálice de cachaça, que o velho tio Luís, um forreta militante, fazia das coisas mais incríveis e podres, amansava o frio.

Algumas vezes corri a freguesia inteira atrás da vaca que teimava em ser livre. A Cornélia acabou abatida, mais ou menos o que acontece aos espíritos indomáveis.

Não guardo ressentimentos e até passei a gostar de vacas, o que não acontece com toda a gente.

Nos últimos dias, as redes sociais excitaram-se – e como se excitam as redes – com um post do Partido Socialista mostrando dois cidadãos separados por uma vaca. Mantenha as distâncias, dizia a legenda. Criativo, achei eu. Um insulto aos açorianos, achou a maioria. Palavra de honra que ainda não percebi porquê!

Um publicitário conhecido explicou-me que, nos dias que correm, o terror de um marketeer é ser mal interpretado. Se cria sobre mulheres em pose ousada, está a ser sexista. Se é sobre homens musculados, também. Se é sobre Nossa Senhora, ofende católicos e sobre o Profeta nem se fala. É difícil de suportar esta vaga do politicamente correto.

Razão tinha a Cornélia em não gostar de cercas, o que não a deixaria bem vista perante o senhor reitor do santuário.

Estranho mundo este que não gosta de vacas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *