A ILHA DAS FAJÃS (Opinião – Manuel Azevedo)

12107971_1302553246437576_7122610584514588450_n

Não sou natural, nem resido em S. Jorge, ilha que, desde adolescente, me habituei a admirar pela qualidade das suas gentes, pela grandiosidade das suas paisagens.

Lembro-me bem, quando no Seminário – marcaram-me muito, pela vida fora, dois professores jorgenses – vinha passar as “férias grandes” a casa, depois de atravessar o canal nos velhos “Terra Alta” e congéneres, combinadas as coisas com outros colegas, aportávamos ao Topo, onde nos esperava um “carro de praça”.

Enquanto o barco ia percorrendo, ronceiro, a costa da ilha, nós íamos visitando localidades e falando com as populações. Lembro-me da célebre paragem na Vila da Calheta, burgo mais povoado que tínhamos encontrado, até então.

 

Em outros anos, ou fosse por falta de dinheiro ou por querer apreciar a costa ou por outra qualquer razão, íamos acompanhando o rom-rom enjoado do Terra Alta, do Santo Amaro ou do Espírito Santo, costa abaixo. Uma costa tanto abrupta como bela, entrecortada por Fajãs, ali à babugem do mar.

Lembro-me da paragem na Fajã dos Vimes, onde um barco de pesca vinha buscar um meu colega e as suas malas. Mais tarde, vim a saber que ali se faziam bonitas colchas e se cultivava um extraordinário café. Passaram anos, desci à Caldeira de Santo Cristo.

Nem uma pisadela num joelho, fruto de uma queda, impediu que eu apreciasse aquelas amêijoas que uma excelente cozinheira me preparou e que merecia uma sesta, não fora ter de ir para a Fajã dos Cubres, tomar um carro.

As Fajãs – dizem-me – vão ter um galardão internacional. Bem merecido. De que estavam à espera? Vamos retomar a nossa demorada viagem, percurso enjoativo, admirando as costas da ilha que Carlos Faria tão bem cantou. Lembro-me da paragem na Urzelina, onde apreciávamos a torre sineira que escapou a cataclismo antigo.

Francisco de Lacerda, também ele natural duma Fajã, encarregou-se de dar a conhecer a ilha, sobretudo com as suas músicas. Já não era sem tempo, a nossa chegada às Velas, a nossa última paragem naquela ilha. Aqui saía mais um dos meus ex-colegas de curso, atualmente, um homem sempre muito bem documentado, sobretudo quanto à história local.

E, por volta das cinco, lá partia para o Cais do Pico, onde me esperava, saudoso, meu pai.

***

Ao longo deste texto, falei muito de fajãs. Eram 76. Hoje são menos, destruídas algumas por cataclismos diversos, especialmente telúricos. Ficaram muitas, mas nem todas são habitadas. Depois do Corvo e Graciosa, em 2007, das Flores, em 2009, Reserva da Biosfera assenta-lhe que nem “luva”, porque S. Jorge é a “pátria das fajãs”.

De um ecossistema único se trata, cumprindo-se, assim, uma das exigências da Unesco que pretende a sua conservação. Não é qualquer coisa morta. Não! Tem pessoas e vida. Aquilo a que os jorgenses chamam “mudas” são disso testemunho: as pessoas moram mais ou menos metade do ano na freguesia e a outra metade nas fajãs para fazer os seus cultivos, pois aí têm terra arável.

O surgir de ermidas mostra a presença de humanos, durante um longo tempo. Até nalgumas houve escolas. Tudo terá começado com as vindimas, mas depois alargou-se, a tal ponto que, hoje, há pessoas que vivem todo o ano nas fajãs.

 

Fajãs existem em quase todas as ilhas, mas é, em S. Jorge, que elas têm a sua maior manifestação. Isto terá a ver com o regime de povoamento. Depois das Velas, Calheta e Topo, os povoadores estenderam-se por toda a ilha, procurando nesgas de terra arável, onde os produtos que traziam se dessem e pudessem produzir bem, num microclima que as fajãs constituem. Para além das vinhas, outras árvores de fruto, o trigo, a cevada, o centeio e, posteriormente, o milho, o inhame, a batata, a batata-doce, o café e outros. Só mais tarde, é que “entraram por terra dentro”.

Ir a S. Jorge e não visitar as fajãs, é “como ir a Roma e não ver o Papa”.

Sem as suas fajãs, S. Jorge não seria a mesma ilha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *