“SANTO ANTÓNIO – o maior português de sempre”- (Padre Alexandre Medeiros)

37602537_10212136005500930_6928576237577175040_o

Está proclamado o Ano da Graça do Senhor! Unidos à Igreja diocesana de Coimbra exultamos de alegria no Senhor, pela celebração jubilar dos 800 anos do martírio dos primeiros franciscanos que foram evangelizar Marrocos, da passagem das suas Relíquias por Coimbra e da entrada de Santo António na Ordem dos Frades Menores, fundada por São Francisco de Assis.

O encontro do jovem sacerdote Fernando Martins de Bulhões com as Relíquias dos frades Berardo, Pedro, Otão, Acúrsio e Adjuto, vai mudar o percurso de vida, daquele que havia de receber o justo cognome de “o Santo de todo o mundo!”

Santo António nasce em Lisboa, a 15 de agosto de 1195, filho duma família da nobreza portuguesa, e renasce nas águas do Baptismo com o nome de Fernando Martins de Bulhões. Recebendo de seus pais a mais esmerada educação entra, aos 15 anos, no Mosteiro de São Vicente de Fora tomando o hábito da Ordem dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho.

Transferido para o Mosteiro de Santa Cruz, na cidade de Coimbra, o nosso Santo vai prosseguir de forma notável os seus estudos, formando-se em filosofia e em teologia. Recebe a Ordenação sacerdotal em 1220.

Santo António quis ser missionário em Marrocos – seguindo os passos dos Santos Mártires – mas a divina providência tinha reservado para ele outros caminhos. Toma o hábito dos irmãos de São Francisco de Assis e passa a chamar-se Frei António. Tenta alcançar as praias do Norte de África, mas o barco em que segue naufraga e – num resgate quase milagroso – desembarca na cidade francesa de Marselha.

Daí parte em missão, pelas cidades da França e da Itália – desejoso de a todos levar a Alegria e a Boa nova do Evangelho de Jesus Cristo! Santo António destacou-se como pregador da Palavra de Deus: os seus sermões eram repletos de uma nobre simplicidade, chegando ao coração da gente humilde e convertendo a muitos pela unção espiritual das suas sábias palavras.

Para memória futura, ficam os excelsos escritos de Santo António – a sua vasta e inspiradora obra literária levou a que o nosso Santo fosse proclamado Doutor da Igreja, pelo Papa Pio XII, em 1946.

Santo António é também muito querido pelo povo cristão, pela prática da caridade junto dos mais pobres. É interessante de ver, que quase 800 anos passados sobre a sua morte, ainda se abençoa e se distribui em sua honra o Pão de Santo António!

          Veio a falecer na cidade italiana de Pádua, a 13 de junho de 1231, sendo proclamado Santo pelo Papa Gregório IX a 30 de maio de 1232.

Santo António – de Lisboa, de Pádua, do mundo inteiro – é com toda a certeza, o MAIOR PORTUGUÊS DE SEMPRE!

 

Padre Alexandre Medeiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *