Inteligência política, ou honestidade política, não sei se estaremos perante a falta de uma ou de ambas… (Opinião – António José de Almeida)

unnamed

Estou farto de ver os açorianos participarem, e subjugarem-se, à farsa que se joga, e se agrava, já há algum tempo, que é a de se esconder todas as culpas na geografia que é São Miguel. Ainda esta semana o Eng. Pedro Pessanha começa um seu artigo, aqui publicado, dizendo que São Jorge é “uma das 8 ilhas dos Açores que são geridas por São Miguel” e, por falta de inteligência ou honestidade, culpa todas as desgraças que são hoje ser-se Jorgense nesse facto. Não vou agora e aqui discutir as boas razões que levam à actual insatisfação dos Jorgenses, que são muitas e têm oprigem em várias geografias e várias ideologias. O que não posso aceitar é que açorianos, especialmente aqueles que se sentem capazes de ter uma ação política e civil activa, e ainda mais aqueles que se situam ideologicamente nas fronteiras do sistema chamado democrático, ao contrário daqueles que vivem e sobrevivem no, e do, núcleo do poder, aceitem e disseminem a ideia, ou vírus, de que as culpas e as responsabilidades do passado e do futuro de cada açoriano, de cada ilha, dos Açores, está na geografia, abstracta, que é São Miguel. Mais uma vez é ignorância política e/ou desonestidade ética.

Esta noção, e propagação, abstracta de que todas as culpas, e todas as soluções, são de um lugar chamado São Miguel , é uma vitória de um sistema político e administrativo viciado, gasto e ultrapassado. Um sistema falhado que conseguiu desviar as atenções, e o poder democrático, dos olhos e da inteligência dos açorianos. É no acto eleitoral que de forma legal, de outra forma só a revolução, o povo açoriano, e neste caso os Jorgenses em particular, pode escrutinar a acção de quem nos governa, de quem sobrevive e propaga este sistema politico e administrativo podre, que cambaleia de um ponto a outro, conforme os empurrões.

Pois é! Mas às eleições não concorre São Miguel!?! Como é que isto é possível? Como é possível que numa democracia, nós açorianos, jorgenses, não possamos derrotar democraticamente aquele que, dia a dia, programa a programa, projecto a projecto, nos derrota?

Ou isto não é democracia, ou estamos a ser enganados e a nossa atenção está a ser desviada dos verdadeiros culpados, dos verdadeiro responsáveis, esses sim que concorrem a eleições, que somos nós açorianos, são os políticos açorianos, os partidos portugueses nos Açores, e esta autonomia violada e abandonada.

Não se deixem enganar meus caros, a culpa está em cada um de nós açorianos, nos presidentes das câmaras dos nossos dois concelhos, que têm nome, nos deputados do PS e do PSD por São Jorge e em todos os deputados na assembleia regional dos Açores, que têm nome, no presidente do governo regional dos Açores e seus secretário, que têm nome, na nossa autonomia e na nossa democracia, e não numa geografia abstracta chamada São Miguel. Não desviem o vosso olhar e não percam tempo com espertices ou patetices…

António José de Almeida

27.04.2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *