CARTA DE UM JORGENSE PARA UM AMIGO DA TERCEIRA (II) – (Opinião – Aires Reis)

18309113_10212488921199035_2039734006_n

Fajã Grande, 18 de Maio de 2017
Caro amigo José.

Recebi a tua carta, que agradeço e folgo em saber que te encontras bem, tal como a tua senhora.
Por aqui, não haverá grandes novidades. A calmaria das nossas fajãs, parece inspirar-nos para que os dias, nesta terra, sejam quase sempre um prolongamento natural do dia anterior.
À parte disto, decorrem os jantares do Divino Espírito Santo que, como bem saberás, agitam esta ilha durante nove semanas consecutivas. Isto, porque após a Trindade – o segundo bôdo como vocês lhe chamam – temos, na Vila do Topo, uma tradição singular a que deram o nome de Jantarinho das Meninas.
Como o próprio nome indica, a coroação é formada apenas por meninas, em que a mordoma é uma delas.
Mas estas festas em honra do Divino são sempre momentos muito especiais para as nossas gentes. É um tempo de partilha, de alegria e de convívio. Ninguém consegue ficar indiferente a estes sentimentos. As pessoas tornam-se mais sociáveis e acentuam o seu humanismo para com o próximo. 
Os mordomos, por sua vez, com grande devoção, como que se transformam um pouco, trazendo na alma um sorriso contido entre a promessa e a gratidão de uma graça da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade.
Tive a honra de ser convidado para a festa de domingo passado, no Topo – uma das freguesias onde a tradição mais se impõe – e digo-te que as sopas estavam deliciosas. O vinho, ao que me disseram, era da Fajã. E eu estou em crer que sim, pois era semelhante, em graduação, àquele que em tempos nos foi servido na adega do Horácio, que infelizmente já não se encontra entre nós.
José, nunca me hei-de esquecer daquele dia em que o visitámos – já lá vão alguns anos – e tu, se bem te recordas, excepcionalmente pouco cauteloso, excedeste-te um pouco e só te apercebeste que já não estavas sozinho, ao subir a rocha da fajã. É verdade! Já os antigos diziam, que a “pancada” mais forte só se sente ao cabo de cima da ladeira.
Mas voltando ao que te queria contar (e vem esta conversa a propósito da reflexão que fizeste na tua carta) durante aquele tempo de espera entre a primeira e a segunda mesa, juntam-se os amigos nos degraus do império, criando-se improvisadas tertúlias onde a actualidade é passada a pente fino.
Fala-se de tudo, mas a conversa desta vez encaminhou-se para o adiamento de uma obra prometida.
Dizia-se que a culpa é dos políticos, que todos são iguais, uns mentirosos, etc.
É comum dizerem-se desgraças dos políticos, mas eu, José, como é costume, prefiro não embarcar cegamente nesta ideia.
Na política, como na sociedade, haverá de tudo. Mas parece-me sensata a ressalva de que nem todos, provavelmente, serão iguais.
E, meu velho amigo, se pensarmos bem, os políticos não serão propriamente uns extraterrestres que alguém enviou à terra, para espalhar a mentira e a discórdia. Pelo contrário, trata-se de pessoas escolhidas por nós, de forma livre e secreta, para serem os nossos legítimos representantes.
Reconhecerás, com certeza que é comum, hoje em dia, as pessoas tentarem desresponsabilizar-se, colocando a culpa nos outros. Mas a vida ensina-nos que, cada vez que sacudimos a água do capote, tornamo-nos um pouco mais pequenos.
Nunca me hei-de esquecer quando, há uns anos atrás, fui convidado para participar numa reunião, na Casa do Povo, que tinha como objectivo discutir-se em conjunto o futuro desta terra. Quando dei por mim, estava na companhia de meia dúzia de pessoas enquanto o salão da Filarmónica, ali ao lado, estava a abarrotar porque havia sopas e uma daquelas cantoras que nunca sentem frio, mesmo na força do inverno.
Eu não vou dizer que também não tinha gostado de ter ido lá, pois um homem, mesmo com esta idade, gosta sempre de umas sopinhas e de assistir ao danço de uma cantora daquelas. Mas o sentido de responsabilidade falou mais alto e não me arrependi.
Talvez um dia as pessoas percebam para que deveriam servir as campanhas eleitorais. Enquanto isso não acontecer, caro José, os políticos estão nas suas quintas. É como a tua estória da burrinha do Jeremias…
Um abraço deste teu amigo e cumprimentos à tua senhora.
Francisco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *