UMA PÁGINA INÉDITA – VITORINO NEMÉSIO EM SÃO JORGE (Opinião – Regina Cunha)

1796819_1391865564420717_1457662080_o

Poucos sabem que Vitorino Nemésio passou 8 dias na Ilha de S. Jorge em 1969, seguindo depois para a ilha do Pico, onde esteve outros oito, em casa do Dr. Tibério d’ Ávila Brasil, natural da Calheta.

Ficando hospedado nesta Vila por razões familiares, a sua presença surpreendeu agradavelmente todos aqueles que o conheciam, mas não pessoalmente.

E nesse pacato lugarejo, conviveu com muita da nossa gente, particularmente com os homens do mar que, na sua simplicidade, se abriam de igual para igual. Acerca de tal, manifestou o quanto apreciava esses contactos.

– “Que bom falar com quem não nos conhece. Sentimo-nos vivos!”

Nas horas de convívio, enriquecia qualquer ambiente pela maneira envolvente e afável que lhe era peculiar. Logo, os serões passaram a ser vividos de uma outra forma. E pela primeira vez ouvimos que a transformação da sociedade nos próximos tempos (naquela altura), seria inimaginável! Preocupava-o, e muito, a crise que atingiria os costumes e vivências tradicionais pelo avanço de novas ideias e de novos conceitos. Indícios recolhidos nas universidades europeias, por onde andava profissionalmente.

Na ilha, um dos seus desejos era visitar as ruínas da casa do Maestro Francisco Lacerda. E no balcão de outros tempos, Nemésio sentou-se na banqueta que existe à volta, e de onde Lacerda, tantas vezes, mirara o canal e a ilha do Pico.

E ali mesmo retirou o seu inseparável “caderninho” e apontou algo do seu sentir!

Na ida à Ponta do Topo, onde a ilha acaba e o mar começa, acompanhou-nos Norberto Ávila, outro nome açoriano bem conhecido.

E o tema principal da conversa resumia-se sempre no aproveitamento daquelas ruinas, as quais registamos gosto do Maestro por aquela fajã, e a razão da célebre frase – “Ou Fragueira ou Paris”.

É que, restauradas e utilizadas, através duma associação com um fim específico, transformar-se-iam numa mais-valia para a ilha.

Espalhada a notícia da sua estadia, as pessoas sentiam-se no dever de o cumprimentar, particularmente os jovens pela obtenção de um autógrafo. Admitindo a companhia destes, questionava-os sobre o que pensavam do seu futuro, ou sobre este ou aquele facto. Era o professor no seu activo.

Então, para festejar a sua presença, o concelho de Velas resolveu homenageá-lo, sendo o local escolhido a Beira, um marco nas festividades jorgenses ao Divino (tal como Rosais), com os Cavaleiros do Espírito Santo, o folião, e as respectivas cerimónias alusivas, incluindo as saborosas sopas de Espírito Santo.

Contudo, ao sair da Calheta, como ia um pouco à vontade, ou seja, sem gravata, resolveu, pelo sim pelo não, metê-la na algibeira do casaco, não fosse o caso de estarem todos engravatados.

Chegados ao largo do sítio em questão, logo reparou que se encontravam, de facto, vestidos a rigor. Entre as várias pessoas destacava-se o Juiz Desembargador dos Açores, Dr. José Lopes, natural das Velas, o Presidente da Câmara deste concelho, e outras entidades.

De imediato deitou a mão à dita gravata e colocou-a, recreando-se, com o à vontade de sempre, com a seguinte prosa:

 

Cá vamos nós, gravatinha,

Que todos, por minha causa,

Estão contigo.

E eu, por tua causa, estou contra!

 

Nas boas vindas houve as respectivas saudações, uma das quais do “Silveirinha” (Manuel José Silveira, de Rosais), um muito conhecido cantador de improviso, que se lhe dirigiu com uma quadra, que lhe causou admiração.

 

Dou graças a Deus

Não ter este lado lésio,

Assim posso dar um viva

Ao Professor Nemésio.

 

Sorrindo, Nemésio virou-se para nós e exclamou:

– “Filho da Mãe, pois é difícil arranjar uma palavra que arremate com Nemésio e ele conseguiu”.

Mas foram diversas as considerações feitas perante diferentes situações.

Foi o caso de um jovem que, ao ser interrogado por ele sobre o que desejaria ser no futuro, respondeu-lhe: – “A minha avó diz que eu não tenha pressa, que vá devagar se quiser sabê-lo”.

Após um pequeno silêncio o Professor, com o indicador direito apontado, respondeu-lhe: – “Diz à tua avó que ela tem carradas de razão. Eu não tive pressa e aqui estou!”

Noutra ocasião, numa conversa de sofá com os pais de um miúdo de três anos, o qual não parava de se esticar, deitar e sentar-se no chão, a Mãe disse: – “O Sr. Doutor desculpe o meu filho, mas ele é muito irrequieto”.

Nemésio olhando-a disse: – “Minha senhora, não diga nada. Aquilo que vemos é o “crescer” à procura do seu espaço!”

No Topo, ao falar com um idoso, este “arrematou” a conversa com o habitual dito “um home com esta idade que espera?!” Com sete anos, aminha filha, que acompanhava o grupo, exclamou: “Aquele senhor disse home…”

Olhando-a, Nemésio declarou: – “Sabes …Tem que se ter muito cuidado ao afirmar-se que uma palavra está errada, pois é o povo que faz a língua. Nunca te esqueças disso”.

Falava muito na sua Terceira, no Porto Martins e nos encontros que por lá tinha com a gente simples. Ao olhar uma viola recordou a rir: “Li uma vez sobre mim, que tocava muito bem… Disparate perfeito. Eu só sabia dedilhar!”

E quanto ao Brasil, aonde também se deslocava a nível universitário, declarou que “a mais bela coisa que o português criara desde o tempo das descobertas, fora a mulata, uma herança revestida de uma beleza, elegância e gentileza perfeita”. Já acercada evolução desse país, proferiu algo que se coaduna com os actuais tempos:- “Para haver evolução tem de existir responsabilidade”.

Entretanto, na sua estadia, escreveu uma carta a Marcelo Caetano e enviou um telegrama a uma sua amiga terceirense que vivia em Lisboa (após ter rasgado dois impressos).

De manhã era habitual ouvi-lo dizer: – “Como sempre, já dei os bons dias ao nosso mar”.

E mais havia para recordar sobre esses dias …que muito honraram os jorgenses, até que a ilha o viu partir!

 

P.S. -Curiosamente, anotei o que pude dessa visita numa “pequena agenda”. Um velho costume que aprendera com o próprio, quando o conheci numa das suas idas a casa da minha avó, no Alto das Covas, sua prima em 1º grau.

Tinha sete anos quando o vi “rabiscar” o que ela lhe contara. Mas … só me atraíra o seu “caderninho”, nada mais! E enquanto o meu pai não me arranjou um com tiras de papel das oficinas da União (que as meninas da Escola da Sé habitualmente lá iam pedir também) não descansei, tornando-me a miúda mais feliz do mundo quando mo entregou com sua capinha azul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *