ESTAREMOS A DAR A EXIGIDA SOLIDEZ AO SECTOR DO TURISMO NOS AÇORES? (Opinião – António Lopes Gomes)

487351_307172989369769_1796587321_n

Impelido pela minha ansiedade ainda hoje confronto-me com esta interrogação – qual a melhor porta de entrada que potencie o desejável fluxo turístico no Grupo Central?
Esta interpelação faço-a há quase duas décadas e numa derradeira insistência, quiçá pela falta de ressonância, volto ao assunto e apenas para repisar o que penso sobre a epígrafe desta minha prosa.
Alimentei sempre a ideia de que se deveria desenhar as acessibilidades turísticas aos Açores, exponenciando sempre duas principais portas de entrada (sem menosprezar outras); Ponta Delgada pela dimensão e a beleza da Ilha de São Miguel que se complementada com Ilha de Santa Maria e permite ainda a divergência para outras parcelas desta nossa Região.
A outra (porta de entrada não menos importante da acima referida) seria as Lajes, da Terceira que é, pressupostamente, um dos aeroportos mais operacionais de todo o espaço europeu. Este destino incluiria todo Grupo Central (utilizando não só os meios aéreos mas sobretudo o transporte marítimo de passageiros e, neste caso, a partir de Angra do Heroísmo).
Se é verdade que a Ilha de São Miguel criou a sua identidade turística, não é menos verdade que o Grupo Central exponencia um espaço arquipelágico, vislumbrando-se de cada Ilha outras Ilhas e permite, entre elas, viagens marítimas de beleza ímpar. É na conjugação de tanta sublimidade que se deveria caracterizar as potencialidades turísticas de cada uma destas Ilhas (património natural/paisagístico/construído, gastronomia, cultura etc) e juntarmos a estes destinos turísticos a fauna e a flora marítima, como elementos promocionais.
É dominante a corrente que elege, prioritariamente, o triângulo constituído pelas Ilhas do Pico, Faial e São Jorge, deixando a Terceira e Graciosa fora deste contorno. Todavia, e independentemente desta exclusão, temos de ser mais ambiciosos e não nos jubilarmos com o turismo que temos nos escassos 80 dias que o Verão nos oferece mas; para que isso aconteça, pergunto se não será importante considerar como porta de entrado um dos aeroportos mais operacionais da Europa – o das Lajes na Ilha Terceira?
Ainda me interrogo se haverá operadores “ousados” na área dos transportes aéreos que programem viagens, no Outono, Inverno e na Primavera para aeroportos condicionados que, “nem longe nem de perto”, têm a operacionalidade do aeroporto das Lajes (Ilha Terceira)?
Projectando este destino turístico, constituído pelas cinco Ilhas do Grupo Central e o mar que as rodeia não estaremos a apresentar uma melhor oferta a quem nos visita?
O nosso espaço oceânico foi aproveitado por operadores turísticos que, para cá deslocaram navios. Não será, objectivamente, pelo interesse que despertam as viagens marítimas entre as nossas ilhas? Neste mesmo sentido ligar o Porto das Pipas (Angra do Heroísmo) às restantes Ilhas do Grupo Central não será um passo importante?
Projectando, nos quatro cantos do Mundo, o destino constituído pelas cinco Ilhas (todas com as suas próprias particularidades) e juntando a elas viagens marítimas, de umas para as outras, não estaremos a comercializar o mais apelativo destino turístico dos Açores?
Com estas premissas não será um retrocesso a Atlanticoline suspender a linha Lilás que ligava as Ilhas do Faial São Jorge e Terceira?
Será ou não possível com menos um navio (o Mestre Simão) servir melhor os Açores e particularmente São Jorge, colocando um dos Cruzeiros nas Velas para viajar deste porto para o de São Roque, ficando o outro cruzeiro na Horta para ligar esta cidade à Madalena e o trajecto entre os portos do Pico far-se-ia de autocarro?
É verdade que o canal entre São Jorge e o Pico permite (na maioria das vezes) a sua navegabilidade, quando as viagens da Horta para São Jorge são canceladas por condições atmosféricas adversas?
No pressuposto de que a base de um dos navios da Atlanticoline seria o porto das Velas, terá algum interesse a oportunidade de se viajar para a exterior via aeroporto do Pico?
É possível resolver os cancelamentos da transportadora aérea SATA para São Jorge, oferecendo uma alternativa pelo Pico, (caso o acima referido navio tivesse por base o porto das Velas)?
Suprimindo a linha Lilás, será que a SATA dará a desejada resposta (já este ano) ao fluxo turístico em ascensão?
Ouvi o último debate parlamentar da urgência e dispensa de exame em comissão do projecto de resolução referente à suspensão da linha Lilás (ligação com a Ilha Terceira). Interrogo-me se uma embarcação a ligar São Jorge ao Pico não será menos dispendioso do que as inúmeras viagens que os navios da Atlanticoline fazem de inverno, a maioria delas, trazendo menos passageiros do que o somatório dos seus tripulantes?

Das minhas interrogações gostaria de ouvir a vossa opinião. O silêncio não será, certamente, a melhor atitude!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *