E SE ESTA AUTONOMIA FOSSE DAR UMA VOLTINHA?! (Opinião Regina Cunha)

Regina Cunha.

Alguém disse que “o certo e o errado estavam na natureza das coisas”.

Uma pequena frase, mas que traduz muito, quando deparamos com o desvio das mais-valias que eram destinadas à ilha Terceira, e que foram ter às habituais paragens! Uma lista que se tem acumulado para vergonha de todos nós, açorianos, fruto de usufruirmos de uma Autonomia inexistente nos seus propósitos, apesar dos muitos estudos e risonhos cenários para a sua melhoria!

Anular uma ilha que tanto deu à Região e à Nação (e ainda dá) através de dividendos pela presença das Lajes, só vem provar como alguns progridem e outros retrocedem. Mas é triste o que está sucedendo com a Terceira e algumas ilhas! É que de vez enquanto, lá temos um estranho “açambarcamento” por quem deveria respeitar o significado dessa Autonomia, a qual jamais foi criada para desenvolver apenas uma só ilha.

E apesar das situações denunciadas, as mesmas nem merecem uma justificação ou desculpa por quem tem a obrigação e a responsabilidade de o fazer!

E nessa sequência, recordamos os estudos do I.N. de Estatísticas, que colocaram a Região no último lugar a nível nacional, tanto na área de coesão, como no índice global de desenvolvimento. Uma conclusão desprovida de partidarismo, mas revestida de grande veracidade, por evidenciar que as queixas argumentadas não são arquitectadas sem mais nem menos, pois é um facto que tanto a coesão como o desenvolvimento global são inexistentes e indesmentíveis.

Paralelamente, aquela declaração de que “S. Miguel carrega com o peso de todas as lhas”, já é um indicativo do que vai pela cabeça de alguns da ilha maior, ou então uma amostragem de desconhecimento quanto ao significado dos termos “Autonomia” e “Arquipélago”!

Mas uma outra afirmação foi registada também, e que, pela sua originalidade, quase justifica a ambição aniquiladora de quem tem o poder na mão por linhas travessas, quanto ao turismo e aos transportes aéreos: «Que Ponta Delgada teria de ter tudo o que de bom se fizesse nas outras ilhas para quando os turistas lá fossem, não tivessem de sair da ilha». (Uma prosa inesquecível, citada por P. A. M. Leal).

Logo, sempre que vemos os atropelos que a Autonomia da Região (algo de bom que nasceu para unir e desenvolver-se mutuamente) pratica, particularmente na Terceira, vem-me à lembrança uma prática muito comum que se usava no passado quando alguém nos incomodava − o pedido do seu afastamento através

de um “Vai dar uma voltinha, e deixa-nos em paz!”

Seria esta a mensagem que deveríamos exclamar perante este pagode centralizador que dá pelo nome de Autonomia. Isto não é bairrismo, é uma solicitação de justiça e de desenvolvimento harmónico!

E voltando de novo à Terceira, apercebemo-nos como a lista dos desvios vai engradecendo, pois em poucas semanas, juntou-se ao mesmo role, a aparelhagem oferecida ao Laboratório de análises de Angra (um Laboratório qualificadíssimo, note-se), e que foi aterrar na ilha maior, além do tema inimaginável do custo das viagens Lisboa-Ponta Delgada-Lisboa, ser muito mais barato que o de Lisboa-Terceira-Lisboa, fazendo-nos questionar o que terá sido oferecido pelo governo, que não possa aplicar-se com os voos que aterram nas Lajes?!

E no meio de tanta boa vontade, temos projectos já em vias de cumprimento, mas alguns feitos com pressupostos penalizantes na sua utilidade, como é o caso do Cais do Topo. Uma obra de milhões, muito bem recebida, e que vinha colmatar um grande sonho dos jorgenses. Porém, imagine-se, nenhum dos barcos do triângulo poderá ali atracar, mas apenas os semirrígidos, ou então servir de abrigo aos barcos de pesca “dos Açores”. Está tudo dito!

Mas era importante para o Arquipélago, que as próximas verbas destinadas à Região fossem bem aproveitadas, através de políticas de crescimento e riqueza sustentáveis. É que as ajudas que temos tido (e vamos ter de novo) da tia BRUXELINA, a tia rica da Europa, não duram para sempre. Logo, a exigência de serem bem equilibradas nos seus fins, é uma prioridade, isto se as traquinices da corrupção, do esbanjar, do centralizar, e do apadrinhar, não penalizarem a “família” (a Autonomia), pois receber heranças sem se ter trabalhado por elas, faz, quantas vezes, com que alguns dos herdeiros pensem só em si, fugindo à partilha, e favorecendo a fantasia da grandeza e do facilitismo.

Esperemos para ver qual o destino da citada fortuna da titia …,  pois alguns dos malandrecos dos sobrinhos, já devem ter em mira o destino a dar-lhe!

Por essa razão, não só pensamos com preocupação no uso dessa dádiva, como achamos que a Autonomia “deveria dar uma voltinha por uns tempos”, até concluir os devidos estudos sobre si. É que já chega de tanto nos fazerem passar por ceguinhos!

E foi por este “encaixe” que passámos pela rápida Revolução do 25 de Abril, até à Autonomia dos nossos dias! Que descansem em paz!

 

Regina Cunha −12.08.2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *