Atlânticoline fez um “esforço grande” para ajustar a sua operação com vista a minimizar constrangimentos, assegura Ana Cunha

IMG_8319

A Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas garantiu hoje que, face ao incidente e inutilização do navio “Mestre Simão”, a Atlânticoline fez um “esforço grande de ajustamento da sua operação”, para assegurar a satisfação das necessidades das populações das ilhas do Triângulo e do Grupo Central, com o mínimo possível de constrangimentos.

Ouvida na Comissão de Economia da Assembleia Legislativa, Ana Cunha salientou que “as ligações à ilha de São Jorge permanecem diárias, sendo certo que no verão, essas ligações aumentam para bidiárias”, havendo ainda a garantia, por parte da Atlânticoline que serão asseguradas viagens “nas festividades do concelho da Calheta”.

Ana Cunha informou a comissão que, para garantir estas necessidades do transporte marítimo regular, houve que tomar a decisão de suspender a Linha Lilás (ligação sazonal entre a Calheta de São Jorge e Angra do Heroísmo) “até estar disponível o navio que vem substituir o Mestre Simão, e que a Região pretende adquirir”.

A titular da pasta dos Transportes salientou ainda que está a ser ponderada, por parte da Atlânticoline, a possibilidade de “se estabelecer uma ligação de autocarro, entre o concelho da Calheta e Velas, nos dias em que o navio estava previsto escalar normalmente a Calheta, de forma a assegurar que, também por essa via, não vem prejuízo para aquele Concelho”.

Já no que diz respeito à Linha Amarela, na operação sazonal que liga todas as ilhas, com exceção do Corvo (servido pela Linha Rosa), este ano, ao contrário do ano passado, disse Ana Cunha, as ligações “serão asseguradas novamente por um navio convencional, juntamente com um navio velocidade rápida”.

Ana Cunha informou também que os horários da Linha Amarela, para este ano, serão, como habitualmente, apresentados pela Atlânticoline, na Bolsa de Turismo de Lisboa, que decorre entre o dia de amanhã e o dia 3 de março.

Questionada sobre o modo escolhido para aquisição do navio que substituirá o Mestre Simão, a Secretária Regional adiantou que essa “é uma situação que dependerá do parecer dos jurídicos que estão a analisar o procedimento, no entanto, o que é importante é que sejam seguidos os procedimentos concursais apropriados e que haja uma disponibilização desse navio no início de 2020, e, portanto, a sua entrega, até final de 2019”.

GaCS/HB / Mark Marques | Info-Fajãs

27.02.2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *