A ILHA DE JORGE E AS SUAS FAJÃS (Opinião – Regina Cunha)

Regina Cunha.

Quando se cita a Ilha de S. Jorge, a palavra “fajãs” encontra-se sempre presente. Porque são fruto da sua geomorfologia e marca das suas tragédias.


Consideradas locais emblemáticos, mostram como foi possível ao homem adaptar-se a espaços tão limitados, formando pequenas comunidades cujas vivências, quase nos atreveríamos a afirmar, se encontravam “de costas para o mundo”.


E apesar de terem características comuns, elas diferiam entre si, pois umas eram acanhados lugares de 2a 12 adegas ou casebres, outras incorporavam pequenas comunidades de 100 a 300 pessoas, ou mais, fruto das condições de fixação.


De notar que a relação do homem com a fajã revestia-se se de tal importância, que “era uma bênção de Deus possuir uma nesga de terra naqueles recônditos locais”, sendo motivo suficiente para essa atração, desfrutarem de um microclima favorável a certas culturas, o que as diferenciava das terras altas, as mais altas do Arquipélago, onde se situa a maior parte das freguesias da ilha.


Menos frias e menos chuvosas, parte das fajãs eram utilizadas sazonalmente (e algumas continuam a sê-lo) para as sementeiras e para invernar o gado, por oferecerem invernos menos rigorosos.


Até aos meados do século XX, as que formavam comunidades relevantes, foram parcialmente afetadas pela emigração, mas a tragédia do 1º de Janeiro de 1980,deu-lhes um golpe fatal, pela “fuga” da sua gente!


Hoje tudo mudou! E mesmo que a reconstrução de algumas das suas ruinas tenha facilitado o regresso, o jorgense já as usufrui de um modo diferente do de há alguns anos! É que a evolução tem o seu preço e as condições de vida são totalmente opostas a esses tempos. Todavia, as Ermidas voltaram já a festejar os padroeiros locais, e os fins-de-semana e a estação de veraneio volveram vida às fajãs. E aos poucos, essas casas e adegas estavam emergindo de novo, pelas mãos dos seus próprios proprietários!


Porém, a situação presente de que se fala, é totalmente oposta a essa. E tudo começou com a aquisição das poucas casas arruinadas da pequena Fajã dos Casteletes, o que fez com que muita da nossa gente se mostrasse satisfeita, pois continuariam tal como eram, e a vida voltaria àquela fajã abandonada! Contudo, e a seguir, ouviu-se que as casas da Fajã do Belo, dos Tijolos, da Caldeira e dos Cubres estavam a ser adquiridas de uma maneira inusitada, o que criou, no imediato, uma preocupação generalizada, por se aperceber em de que algo se estava a passar!


Mas o pasmo e a incredulidade que se instalou, foi após a notícia dada pelo jornal D. I. sobre a existência de alguém tinha adquirido as terras e casas arruinadas da Fajã do Sanguinhal, ou seja, uma fajã inteira… para um Resort!
Todavia, as” novidades” não pararam por aí, poiso mesmo, segundo se dizia, iria suceder na Fajã dos Cubres (aqui coloco a minha dúvida) e na do Ouvidor!


É que isso de transformar sítios revestidos de particularidades únicas, em Resorts, não lembra ao diabo! Simplesmente por ser um convite ao desmantelamento de um património natural, cultural, intacto, harmonioso, e delicadamente assegurado e respeitado por gerações! Pois conservar o que é “diferente” ou distinto dos outros lugares, é que atrai qualquer pessoa que saiba o que deseja ver ou viver, sendo essa diferença, indiscutivelmente, o polo de atração. Se o eliminarmos, nada mais nos restará!


E todos sabemos que, para esses compradores, a fajã não possui o significado afectivo e alimentado pelas várias gerações, pois o fim da aquisição reveste-se apenas, e só, de interesses lucrativos, criando algo que nem sabemos bem o que é, pois aproveitar ruínas é uma coisa, e encher as fajãs de bungalows é outra!


Será que o Sr. Secretário do Ambiente estará a par do que se passa? Será que tem alguma ideia do que é uma fajã? Será que essas reconstruções ou construções foram devidamente acauteladas pelos danos que poderão advir? É que “os sistemas lagunares que estão presentes nas fajãs dos Cubres e da Caldeira, constituem exemplos únicos ou raros, nos Açores e na Região Biogeográfica da Macaronésia (lagunas costeiras)” além de que a Fajã da Caldeira de Santo Cristo tinha já sido classificada como “Reserva Natural Parcial” em 1984, e declarada “Área Ecológica Especial” em 1989, por ser “um sítio de importância internacional ao abrigo da Convenção de Ramsar, relativa às zonas húmidas como Habitat de Aves Aquáticas”, o que é atractivo para os cientistas e demais académicos, e não só!


Tudo porque na Ilha de S. Jorge, o designado Sítio de Ramsar, além dos 231 ha no Planalto Central relativos ao Pico da Esperança, abrange mais 86,5 ha na costa norte, compostos por três subunidades individualizadas e com características distintas: a Fajã dos Cubres a oeste (34 ha), a Fajã da Caldeira a este (35 ha), e a faixa litoral de ligação que passa pelas Fajãs do Belo e dos Tijolos (17, 9 ha).


Atrevemo-nos a crer que o que está a acontecer é preocupante, caso não obedeça aos critérios criados pelas directivas comunitárias e tratados internacionais. E se a ausência dessa responsabilidade for um facto (pois pouco se sabe de concreto sobre o assunto em questão), revestir-se-á de grande relevância penalizadora, inclusive no futuro que as novas gerações irão herdar!


Entretanto, ao ouvir a edilidade das Velas na RTP/A domingo passado, apercebi-me que esse senhor, felizmente, está atento, mas apenas quanto à Fajã do Ouvidor, pois as outras … não são pertença ao seu concelho!!


E para finalizar recordo as palavras de um ilustre jorgense, o Eng. Agrónomo Arlindo Cabral, que revelam toda uma verdade “quanto ao sentir da ilha” por esses locais únicos: O aproveitamento traduzido pela fajã parece revelar, porém, mais carinho que luta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *