A ILHA DE SÃO JORGE E O “SEU QUEIJO” (Opinião – Regina Cunha)

Regina Cunha.

Numa ilha sem jornais, em que as notícias só chegam “parcialmente” pela RDP/A, ou pela RTP/A, e em que são poucas as pessoas preparadas para defenderem as que são sãs e com boas intenções dos malabarismos criados nas últimas décadas com fins específicos, é uma triste realidade dos nossos tempos!
Vem isto a propósito do que se está passando com o queijo de S. Jorge, o mesmo que deu fama aos lacticínios dos Açores além Arquipélago, e que era conhecido, nos tempos de então, por “Queijo da ilha” ou “Queijo ilha”, mas que todos sabiam a que ilha se referia, uma vez que era o único, repito, o único, com fama açoriana, identificado no Continente.
Contudo, nas últimas décadas, uns certos “alguéns”, que nunca ligaram patavina à ilha de S. Jorge, descobriram que necessitavam dela, e vai daí, toca a rodeá-la de mimos através das suas cooperativas, e mesmo a nível governamental.
Nessa altura, o gerente de uma das principais, desabafou comigo quanto ao que se estava a passar, e eu, que nem sou jorgense, mas tenho por essa ilha um grande afecto pelas razões que muitos sabem, escrevi no dia 10 de Junho de 2007, um artigo no D.I. intitulado “Golpada em S. Jorge”, título esse sugerido após ouvir, de um velho pastor, que uma “grande golpada “tinha sido dada nas Cooperativas de S. Jorge.
No dia 8 de Maio de 1992, escrevi um outro, com o título “O Queijo da Ilha”, a manifestar a contínua preocupação de estarem a manobrar, com certos fins, o verdadeiro queijo que tinha esse nome.
Posteriormente, numa mesa “quadrada” sobre o queijo, na RTP/A, em que apenas se encontrava um representante da “Unileite” de S. Miguel (que acumulava o cargo de gerente da “Lactaçores”), um da “CALF” da ilha do Faial, e um terceiro que já não recordo a que estava ligado, mas que era de S. Miguel, foi discutido o citado tema. Porém, da ilha de S. Jorge, a ilha do principal queijo, um queijo DOP… ninguém estava presente, imagine-se!
Na altura, e com grande espanto de muitos, a senhora que conduzia o “opinar” de cada um, (uma locutora micaelense, que pelos vistos tinha consciência do seu papel), questionou a “Unileite” (a mesma que dirigia ou representava, como já foi citado, a “Lactaçores”), se a sua ligação à “Uniqueijo” de S. Jorge, não seria uma maneira deste queijo servir de arrasto ao queijo que representavam.
O dito Senhor da “Lactaçores” (o mesmo da “Unileite” de S. Miguel) só respondeu
afirmativamente, à terceira tentativa!
Desde então… enquanto o tempo foi passando e muitos dando aos ombros, apesar de alguns prémios por entremeio ao seu queijo, a “golpada” foi dada ao Queijo Ilha de S. Jorge, basta ler os comentários escritos, actualmente, em certos jornais, observar o que se passa, ou comparar ainda o preço do Kg desse queijo, um queijo DOP, repito, ao queijo da Ilha Maior.
E o que vemos? Que o único “ouro” da ilha jorgense poderá ver a sua futura economia perigar, se não enfrentar a realidade, e não tomar pessoalmente nas suas mãos a apresentação do “seu queijo” no exterior, pelo merecido direito que lhe compete, e pelo muito respeito que deve aos seus pastores e antepassados.
É que ainda no ano de 2017,aquando da “Feira Taste Açores”, para exibição de empresas açorianas, e que por acaso visitei, fiquei chocada por ver que a representação do melhor queijo dos Açores não tinha o destaque devido. E ao pedir explicações sobre o mesmo, a “ignorante” senhora que assistia à representação dos queijos açorianos, com o titulo “Lacticínios”(?!) sobre o respectivo balcão, nem sabia o historial do dito. E publiquei essa precisa visita no dia 26 de Outubro desse ano, no D.I.
E nesta caminhada…a verdade surgiu traduzida pelo prémio ao “Queijo Ilha de S. Miguel”! Logo, todos os que seguiam com interesse o percurso do Queijo Ilha de S. Jorge, que é um orgulho para os Açores, questionaram, no imediato, como era possível tal acontecer se o daquela ilha nunca usufruiu desse título, ou por outra, nunca o teve como tal?
Mas a notícia não passou despercebida aos de fora da ilha que registaram com espanto que S. Miguel arrecadasse três primeiros prémios precisamente nas categorias de “queijo ilha”, um título plagiado! E nesse prosseguimento, o Diário Insular referiu: “Estranho que a categoria “ilha” tenha ido para S. Miguel, quando por maioria da razão S. Jorge é que dá o nome à categoria, e quando também tem sido premiado em concursos, depois de enorme esforço de investimento e gestão que se vem fazendo na ilha do dragão”.
E mais à frente refere que se outras ilhas em certames recolherem primeiros prémios na dita categoria, “é S. Jorge que fica a perder, quando é a ilha que está na origem da fórmula de produção e que deveria estar fazendo distinguir bem o que é o queijo original e o que são cópias”.
Mas lá no Continente, no jornal Negócios, muito lido por empresários e pessoas interessadas na busca de algo que mereça a sua atenção, Edgardo Pacheco escreve a 10 do corrente mês, o seguinte: “Há menos de dois meses, a “Lactaçores” organizou um evento para promover o Queijo São Jorge. E em que consistiu a coisa? Numa torrente de discursos (alguns penosos) de meia-dúzia de figuras das ilhas e do continente, especialistas em repetir o óbvio (até o presidente da Câmara de Vila Franca de Xira falou, valha-nos Deus) e, em seguida, na degustação de queijos com compotas, bom pão, e vinho do Pico (isso deve ter dado uma dor de cabeça ao chefe responsável pelo catering que nem imagino…). Houve alguém para falar do tesouro de São Jorge? Não. Houve alguém capaz de descrever, com prova didáctica, quais são os aromas e os sabores elementares de um queijo São Jorge? Não. Houve alguém para explicar como evolui o queijo ao longo dos anos? Não. Apareceu alguém para contar alguma história sobre este queijo com centenas de anos? Não. Algum chefe – estavam uns quantos presentes – fez sugestões sobre a degustação do queijo? Clássicas ou mais arrojadas? Nada. E eu, como fanático por Queijo Ilha São Jorge, lá vim triste para casa com uma cunha de queijo, um folheto com a descrição dos queijos da Lactaçores e uma vaquinha enfiada num lápis azul… Creio que o queijo São Jorge, os lavradores de São Jorge e os Açores merecem mais. E nem é assim tão difícil fazer mais”.
Perante tudo isto, espero sinceramente que os dirigentes do melhor queijo dos Açores na categoria de “queijo ilha”, que é jorgense, revejam o que se passa com a “Lactaçores” (ou mais precisamente com a “Unileite”) e chamem a si o que é seu, particularmente asua apresentação em certames e feiras, em vez de o deixar por mãos alheias, degente que nada sabe sobre o seu historial, e que nenhum interesse tem por sabê-lo, pois apenas o que lhes convinha, já está concretizado. E se não o fizerem… “S. Jorge que se cuide!”, como disse alguém.

P.S. Afirmaram-me que foram introduzidos empregados micaelenses nalgumas cooperativas… e que os naturais da ilha, que lá estavam, foram ou para casa, ou desviados para outros serviços! E mais… Que impuseram algumas regras ao fabrico do “Queijo Ilha de S. Jorge”! Se tal for verdade, é muito grave!

22.11.2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *