“Diga-se o que se disser, a vida é a coisa mais bela!” – (Padre Alexandre Medeiros)

37602537_10212136005500930_6928576237577175040_o

Esta luminosa máxima do cardeal D. José Tolentino de Mendonça, há-de servir de mote para a minha reflexão sobre a recente polémica instalada neste País de brandos costumes – a despenalização da eutanásia.

Gostaria muito de partilhar, com os leitores da nossa Carta Familiar, duas breves histórias que ilustram a importância fulcral de promover e qualificar a Vida humana em cada uma das suas etapas – desde a sua concepção até ao seu fim natural.

A primeira história foi vivenciada por mim! Tive o privilégio de ser capelão do Lar D. Pedro V – durante 5 anos, acompanhei humana e espiritualmente, aquela simpática comunidade de pessoas envelhecidas, que habitavam no coração da cidade da Praia da Vitória, na ilha Terceira.

Um dia – na Missa e a propósito do ambiente e da liturgia da Palavra – falei do encanto maior e da felicidade suprema para quem alcança o estar para sempre junto do Senhor, no Paraíso. Então perguntei aos irmãos mais velhos quem gostaria de ir para o Céu naquele dia! Se estar junto de Deus é o melhor que pode acontecer à Pessoa humana, desejar ir para o Céu devia ser o sonho maior de cada um deles. Obtive como resposta um silêncio profundo e uns risos amarelos!

Afinal como diz o D. José Tolentino “Diga-se o que se disser, a vida é a coisa mais bela!”.

A segunda história, foi vivida por um padre português, que durante 5 anos acompanhou a comunidade lusa que habitava na arquidiocese de Bruxelas, na Bélgica. Como falava fluentemente o francês, o sacerdote foi convidado a trabalhar como capelão num dos hospitais da capital belga.

Certo dia, enquanto fazia o acompanhamento aos doentes internados, deparou-se com um cenário deveras estranho – um grupo de pessoas rodeava uma cama e uma senhora segurava uma espécie de balão de soro. Aproximando-se do leito em que estava acamado um venerável ancião, o sacerdote inteirou-se de o tal balão continha o veneno para dar uma morte digna ao paciente. Quem estava a segurar o recipiente era …. a filha deste senhor!

Deve ser missão da ciência médica estar ao serviço da promoção da vida humana em todas as suas etapas, oferecendo à pessoa doente, os remédios e as terapias que lhe possibilitem a melhor qualidade de saúde e de vida.

Afinal, como diz o mais jovem cardeal português: “Diga-se o que se disser, a vida é a coisa mais bela!”

Padre Alexandre Medeiros

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *