Que Triângulo queremos? (Opinião – Luís Garcia)

unnamed
  1. Como já aqui expressei por diversas vezes, acredito no potencial do Triângulo formado pelas ilhas do Faial, do Pico e de S. Jorge e nos efeitos positivos que o seu desenvolvimento pode trazer para esta zona do Arquipélago e para os Açores. Este Triângulo constitui um sub-destino dentro dos Açores com elevado potencial turístico e económico, tal é a diversidade de produtos, proximidade geográfica e reduzidos custos de acessibilidades que oferece a quem nos visita e a quem aqui vive e trabalha. Entendo, por isso, que ignorar ou menosprezar esta realidade revela uma distorcida visão estratégica para o desenvolvimento destas ilhas e dos Açores e constitui um imperdoável subaproveitamento de recursos que a natureza colocou ao nosso dispor.

Mas, infelizmente, sinto que não estamos a fazer tudo o que devemos e podemos para desenvolver o Triângulo nas suas várias vertentes e para construir uma verdadeira comunidade unida nos mesmos propósitos. Desconfio mesmo que, em alguns domínios, estejamos a recuar nesta caminhada com competições suicidas e discursos absolutamente contraditórios.

 

  1. A verdade é que a realidade do Triângulo tem sido menosprezada por opção de uns e por inação de outros. O Governo regional movido e influenciado por outros interesses e blocos geográficos, bem representados na sua estrutura, não aposta e ignora esta realidade. Aos de cá, sobretudo aos autarcas, tem faltado visão e vontade política para delinear e implementar uma estratégia mobilizadora das três ilhas. E ainda nesta caminhada também não têm faltado estratégias sorrateiras de alguns que, não interessados no desenvolvimento desta realidade, tudo fazem para dividir, colocando ilhas contra ilhas, lamentavelmente, muitas vezes, com sucesso.

 

  1. A melhoria das acessibilidades aéreas às ilhas do Triângulo é um exemplo bem elucidativo do que atrás referi. Em vez de aproveitarmos a mobilização da sociedade civil, especialmente no Faial e no Pico, na luta por melhores e mais acessibilidades aéreas, temos perdido energias e força com divisões internas e discursos prejudiciais.

Se queremos efetivamente desenvolver o Triângulo e melhorar as suas acessibilidades temos de defender a melhoria operacional dos seus aeroportos como infraestruturas não concorrenciais.

Se queremos efetivamente desenvolver o Triângulo e melhorar as suas acessibilidades temos de defender mais voos e maior oferta de lugares para todas as suas ilhas e não pretender retirar voos a uma ilha para colocar noutra, porque assim estaremos a subtrair oferta ao Triângulo quando o objetivo deve ser somar.

Se analisarmos os tempos mais recentes facilmente constatamos e concluímos que estes objetivos têm sido perseguidos, por alguns, não olhando de uma forma global para o Triângulo, mas de forma isolada e até concorrencial entre as sua parcelas e não será assim que se consolidará o Triângulo.

 

  1. Na minha perspetiva tem faltado liderança e estratégia ao Triângulo. Considero há muito que a Associação de Municípios do Triângulo (AMT) podia e devia exercer esse papel liderante e agregador de todos os outros agentes de desenvolvimento destas ilhas. Se queremos e acreditamos no potencial deste Triângulo, temos de ser nós, em primeiro lugar, a protagonizar e a assumir essa tarefa. A AMT está longe de desempenhar esse papel e se não repensar a sua atuação a sua utilidade será, mais cedo ou mais tarde, posta em causa.

Devo confessar que nos próximos tempos, com esta presidência, não espero alterações positivas na AMT. Eleger para seu presidente o edil das Lajes do Pico que tem sido um dos grandes ativistas da divisão e destruição da união do Triângulo é um ato absolutamente contraditório em relação aos objetivos que preconizo para a AMT e para o Triângulo. Quando soube desta eleição e li num jornal declarações suas não me ri porque o assunto é demasiado sério. Ler que aquele responsável afirmou que pelo desenvolvimento do Triângulo é tempo de “pôr de lado alguns egoísmos” é de uma incoerência estrondosa com o seu passado e com os discursos que tem proferido contra o Faial. Espero sinceramente que a sua atuação, como presidente da AMT, me surpreenda a bem do Triângulo.

Neste contexto faz todo o sentido refletir e questionar sobre que Triângulo queremos e se todos o queremos. Clarificar este ponto é essencial para definir o caminho que queremos trilhar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *