A democracia socialista (Opinião – Luís Garcia)

unnamed
  1. Há momentos e momentos. E todos devemos ter a capacidade para distinguir em cada momento, o local e o evento onde estamos e participamos. É assim em tudo, mas, sobretudo, na vida pública. Quem exerce cargos políticos sabe-o bem ou devia saber. Há momentos institucionais que devem ser respeitados e não devem ser transformados em momentos partidários ou de fação. A sessão que assinala o aniversário da nossa cidade é um momento solene e institucional. Quem assim o entende deve agir em conformidade.p

Vem isto a propósito dos discursos proferidos na sessão solene que assinalou o 184º aniversário da elevação da Horta a cidade. Posso discordar de alguns aspetos da intervenção do presidente da Assembleia Municipal, mas foi uma intervenção adequada ao momento e ao local. Penso que, sem grandes dificuldades, todos os membros daquele órgão autárquico e os faialenses em geral sentiram-se representados na forma e no conteúdo genérico do discurso.

Se o presidente da Assembleia Municipal percebeu o momento e o local, pelo contrário, o presidente da Câmara fez um discurso para os seus correligionários. Numa intervenção laudatória e autoelogiosa da sua ação, como é seu hábito, o edil quase que transformou a sessão solene do dia da cidade num comício socialista de lançamento da sua recandidatura e cheio de recados a quem ousa criticá-lo.

O presidente da Câmara acusou o toque e usou aquela sessão para tentar justificar-se das críticas de pouco ter feito durante o mandato e de agora, em vésperas das eleições, procurar, à pressa, mostrar alguma coisa. O seu discurso só veio provar a justeza das críticas pois se não fossem verdade ele não sentiria a necessidade de se justificar.

Infelizmente, o Presidente da Câmara não soube distinguir o local nem o momento e revelou, mais uma vez, uma objetiva falta de dimensão e cultura democrática.

 

  1. Esta é a minha opinião e aqui fica clara e objetiva como sempre. O que tenho a dizer digo e escrevo. E de pouco serve alguns amuarem porque sempre tenho praticado um princípio que considero essencial: aquilo que tenho a dizer, digo-o, com frontalidade.

Parece que na sequência do meu último artigo (“Donos disto tudo”) e de posições fortes que os vereadores do PSD tomaram ao abandonar uma reunião de Câmara, alguns, revelando, mais uma vez, falta de cultura democrática e de capacidade de lidarem bem com o contraditório, amuaram. A esses só posso dizer: habituem-se, é a democracia!

 

  1. Porém, a deturpação das regras e dos valores democráticos não é apenas um mal da maioria socialista na Câmara da Horta: é uma marca das governações socialistas.

O episódio que rodeia a demissão do anterior Conselho de Administração da Unidade de Saúde do Pico é um exemplo bem eloquente dos constrangimentos que sofre a democracia nos Açores. Perante a polémica que tem rodeado esta demissão, com acusações graves de interferência partidária de dirigentes socialistas na gestão daquela unidade de saúde, o PS, com a sua maioria absoluta, na comissão competente da Assembleia Regional impôs que se ouvisse apenas uma das partes, o Secretário da Saúde, e chumbou, por duas vezes, a audição da outra parte. Isto é democracia? Não tenho dúvidas que, a cada ano que passa, esta geração de socialistas que ocupa o poder, não só ofende a memória dos que lhe antecederam no partido, como ilustra bem como já está em causa o normal funcionamento das instituições democráticas nos Açores.

  1. Mas o mau exemplo de responsabilidade e de respeito pelos valores democráticos e pelas pessoas no reino socialista vem bem de cima, mesmo até de fora dos Açores. Perante a tragédia de Pedrógão Grande, o que fez o Primeiro-ministro? Como bem escreveu João Pereira Coutinho, no Correio da Manhã, António Costa “meteu as desculpas ao saco e encomendou uma sondagem para ver se a sua popularidade tinha sobrevivido às cinzas” e, acrescento eu, a seguir foi de férias! Imaginem que tudo isso acontecia com o Primeiro-ministro anterior?! Há de facto valores e regras democráticas diferentes e surpreende-me a tolerância da generalidade dos ditos comentadores para com estas atitudes da democracia socialista de lá e de cá.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *