UMA ESPÉCIE DE EDITORIAL……por: Rómulo Medeiros Ávila (Diretor do Jornal do Pico)

111111111

PICO-SÃO JORGE: É TEMPO DE APOSTAR

Pico-São Jorge. Uma ligação que deve e merece ser aproveitada. É tempo de, com coragem, aproveitar esta proximidade. Abrir e investir mais e melhor neste canal.

Em vez de, sensivelmente, 15 mil pessoas de cada lado, unir estas ilhas, criando sinergias sociais e económicas, num só mercado de 30 mil pessoas, alavancando o sucesso de cada uma das ilhas que, nunca perdendo a sua marca e identidade, deve ser o passo futuro. Sem conversas, sem histórias e sem novelas. Sem “justificações” é preciso apostar. Ligações precisam-se. Ligações diárias efetivas, entre o porto de São de Roque, no Pico, e o porto das Velas, em São Jorge. Sem desculpas, sem cancelamentos sem nexo. Coragem, atitude, visão e vontade política precisam-se, porque, caro leitor, o tecido empresarial já provou que responde sempre positivamente quando é apoiado e estimulado.

Desde o Topo aos Rosais, São Jorge tem tanto para oferecer. E nós, deste lado, de uma ponta a outra da ilha temos uma imensidão de coisas para fazer. Porque não unir a beleza das fajãs jorgenses e o sentir daquela ilha, à nossa imponente e maravilhosa montanha e aos nossos sabores?

“O que as ilhas têm de mais belo e as completa é a ilha que está em frente”, escreveu Raul Brandão. Não podia estar mais de acordo. E o Pico, São Roque neste caso, tem de se virar para a frente, porque São Jorge está mesmo aqui ao lado e a verdadeira aposta neste canal, nesta união, é possivelmente um dos segredos para que a ilha do futuro, seja a ilha do presente.

Nos tempos de hoje: almoçar em São Jorge, tomar banho nas piscinas do Cais do Pico, visitar a Poça Branca na Prainha, visitar Santo Amaro, passar pelo Topo, jantar no Pico, passar pela Furna e descansar em Santa Luzia, apreciar mais de perto a montanha, visitar as lindas fajãs, as adegas, comer queijo, beber bons vinhos, fazer trilhos, tomar o café jorgense, passar na calma da Calheta e no aconchego das Velas, conhecer a Madalena, sentir a cultura da baleia nas Lajes, enfim… sentir culturalmente cada ilha, tem de ser possível todos os dias. Que se aposte nesta união “Pico-São Jorge”, porque deste casamento podem sair “filhos lindos”.

São Roque do Pico, 19 de junho de 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *