GENTES NAS MARGENS DA VIDA – O «Imitador» Jorge Francisco do Pico (Opinião – António Silveira)

269487786_122066503669889_4789635048564699610_n

Na Beira, nas Velas, direi em todas as freguesias do Concelho, o «Jorge do Francisco do Pico» (nome porque era conhecido), era uma figura popular por quem todos (os que o conheciam) de uma forma ou outra, nutriam grande simpatia e estima (ás vezes tolerância).

O Jorge era agricultor, negociante de gado, (homem de dar «dias para fora») e por uma vez também comerciante, além de grande imitador que era de «personagens» conhecidas no Concelho.

Solteiro vivia com os pais e irmão e tornou-se celebre na Beira, porque aquando da matança do porco, convidava «meia freguesia», sendo que posteriormente o «bicho» durava muito pouco tempo (com as ofertas que fazia), não dando grande trabalho à mãe, para acomodar a carne na «barça» de barro, com sal à mistura para se ir usando durante os restantes dias do ano, até ao consumo total (no fim era sempre o toucinho).

Pela festa de Sant’ Ana (Padroeira da Beira) em finais de Julho, o Jorge matava uma vaca e vendia a carne a várias pessoas (meu avô era cliente) mas ficavam sempre umas sobras com que a «tia Mariana» a mãe fazia um cozinhado com batatas da terra e doces que era um «regalo». (Fui convidado muitas vezes).

O Jorge era cliente (quase) diário da loja do Ulisses (meu padrinho do crisma) onde trabalhei (logo a seguir à Escola Primária) durante sete anos, um cliente sério onde o «fiado» (se necessário) era sempre pago no prazo acordado. Desse encontro quase diário (exceto Domingos) ou quando o Jorge ia ao Pico (em negócios), foi-se cimentando um relacionamento que perdurou pela vida fora e que se transmitiu aos meus filhos (quando crianças) que ainda hoje o recordam com saudade mas com grande alegria.

O Jorge em dada altura da sua vida (após pequenos amores passageiros) encontrou uma paixão forte (mas proibida) e então resolve (dar folga ao seu burro) e comprar uma mota de três rodas com caixa e para a qual construiu uma grade de madeira, que servia para transportar os bezerros que comprava, ou a sua «namorada» (nesses casos limpava muito bem a mota, colocava almofadas e uma manta) e levava a sua paixão a passear, todos sabíamos desses passeios, porque a mota ia em grande aceleração e a «buzina» não tinha descanso.

Nessa fase da sua vida Jorge tornou-se comerciante e no rés-do-chão da sua habitação montou uma tasca (vinho, cerveja, pirolitos, aguardente, chocolates, figos passados etc..) e onde as principais «novidades» eram os petiscos (linguiça, coelho frito, chicharros secos, morcela) produtos que chamavam e cativavam os clientes.

Negócio de pouca dura, porque Jorge além de «empresário» era o cliente principal, logo, consumir sem pagar e fiados por cobrar, apresaram o encerramento daquela «empresa».

Mas aquilo que mais marcava a sua vivência, era o seu «jeito “natural com que Jorge imitava as pessoas mais conhecidas da época. Quando um grupo de amigos se juntava pela noite dentro nas tascas da freguesia e lhe pagavam um copo (direi, alguns) ele exibia o seu dom natural, sendo que a «vítima» quase sempre era o Ulmano Borges apresentador (e ator de teatro junto com o José Sequeira e o Hélio Oliveira) no Grupo de Teatro da Beira, Jorge até contava as anedotas que às vezes o Ulmano tinha de introduzir aquando dos Actos de Variedades quando alguma artista (provavelmente a Olga e a Paula Sequeira ou a Fátima Monteiro, entre outras), se atrasavam na entrada em cena (porque os músicos estavam «acertando» os instrumentos.

Jorge fazia espetáculos sem palcos (antigos ou modernos) mas que valiam muito naquela altura, pela boa disposição que «criavam» superando alguns dos programas das televisões de hoje.

O Jorge aquando da minha mudança de residência para as Velas, era nossa visita (quase) semanal, e para tal deslocação (apanhava) sempre boleia da Beira, vinha sempre bem-disposto chegava batia à porta e quando os meus filhos o vislumbravam lá fora todos queriam ir abrir a porta, por que ele (antes de entrar) dizia: sou o padre Hermínio (o saudoso padre Hermínio Amorim) e venho benzer o jantar, os meninos tem de se portarem bem senão hoje não comem, entrando logo dizia: Não há nada para beber? Sim- dizia a Nélia, mas primeiro vais comer.

Jorge jantava connosco (pouca comida) e acabada a refeição, logo dizia: “Agora vou fazer o sermão, porque vocês tem de receber a palavra do senhor” (era a alegria dos meus filhos), então pedia uma toalha que punha sobre os ombros (como «vestes de senhor padre» dizia), e lá fazia o sermão, entre cortado (com alguns «dizeres» que dizia ser do sacristão) acabada a «celebração» Jorge dizia que estava a precisar muito de um digestivo. Assim se fazia, depois ele soltava a conversa girando à volta da sua vida que afirmava já pouco valer, a Nélia dizia -lhe sempre, não brinques com isso és muito novo tens longa vida para viveres. Depois ia levá-lo a casa, na viagem confidenciava-me os seus males de amor a vida que não corria bem a sua desilusão, enfim o pouco amor que tinha à vida.

Dava-lhe os meus conselhos e pedia-lhe para ter «juízo». Passado algum tempo estava ausente da ilha, a Nélia telefonou-me muito triste dizendo: “O Jorge suicidou-se”. Senti uma grande frustração e pensei como por vezes, a vida é tão desajustada ou como são infinitos os labirintos da mente humana. Dele ficou a recordação do seu dom natural de imitador, mas também algumas «estórias» como quando precisava tratar algum assunto na Camara Municipal ia de burro e estacionando o mesmo (que era muito manso) na entrada do edifício da Camara (voltada para a Rua de S. João) e exigindo aos funcionários Municipais que o levassem ao Presidente porque tinha assuntos (sérios) a tratar.

Mas, neste relembrar o Jorge do «Francisco do Pico», outras personagens me vem à memória, como o José Calheta, (com o seu cão Bismarck) homem de ditos (oportunos e certeiros) para com as vivências locais, ou José da Ana que pedia porta a porta e que nada sonhava da vida, senão algum respeito e atenção à sua pessoa.

Esta é a tal gente nossa (sem palcos, mas que faziam parte do nosso viver coletivo) e que as partidas são luzes que se apagam da grande roda da vida. Recordando-os, prestamos-lhes a homenagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *