Carta ao Amigo José (III) (Opinião – Aires Reis)

18309113_10212488921199035_2039734006_n

Calheta, 14 de Julho de 2017

Amigo José

Pedindo a Deus que estejam todos de saúde, deixei passar o Espírito Santo para te contar novidades e acabei por me relaxar um pouco e só agora te escrever.

Não te vou falar das festas porque, como é habitual, foram fartas em comidas e bebidas, com gente de toda a ilha a encher os arraiais, abrilhantados pelas nossas Filarmónicas. Pareceu-me ver também muitos desconhecidos – turistas porventura – de máquina fotográfica a tiracolo, que disparavam em todos os sentidos. Eles reparam em cada pormenor que um homem, talvez pela sua proximidade com estas tradições, não lhes reconhecia tamanho interesse.

Eles fotografavam bolos de véspera, chavões, espécie, paramentos e insígnias, crianças coroadas pela graça do Divino, varas floridas, tubas e trombones, eu sei lá… Afinal, esta terra parece ter ainda mais valor do que aquele que nós lhe damos.

Depois foi o grande acontecimento. A vinda do nosso Presidente, o Professor Rebelo de Sousa, como Passos Coelho lhe chamava…

Esta visita tinha sido anunciada umas semanas antes. Vieram equipas de segurança conhecer o percurso e os locais onde Marcelo iria passar. Diziam alguns que talvez não fosse necessário tanto aparato, pois esta terra, por enquanto, continua a ser pacata e sem as confusões que se vêm aí para fora.

Cá por mim, acho que as coisas devem ser como mandam as regras. Não vamos agora afiançar que somos todos uns santos e que não poderíamos ser surpreendidos por algum gatuno que lhe preparasse uma desfeita. Nunca fiando…

Por outro lado, a população do Topo ficou sempre na expectativa do nosso Presidente “furar o protocolo” como dizem na televisão, e desviar-se do trajecto previsto, para passar na Vila do Topo, no seu dia maior – a terça-feira do Espírito Santo.

Infelizmente, e para tristeza do nosso povo, isso não veio a acontecer.

Não sei se sabes, José, mas o homem, por acaso, já tinha estado lá, antes de ser Presidente. Foi pelas eleições da Dra. Berta. O homem encheu o salão dos Biscoitos como não há memória.

Nessa altura, o agora Presidente deslocou-se à Pontinha, onde desembarcaram os povoadores, para conhecer um pouco da nossa história. Dizia-se deslumbrado com tudo o que viu. A paisagem da Serra com as hortências em contraste com o verde das pastagens, o gado a pastar em declives acentuados e a vista para o Pico onde o azul do canal encanta qualquer forasteiro. Ainda se receou, quando ele chegou à Pontinha, que se atirasse ao mar e arriscasse nadar na direcção do ilhéu, mas isso só veio a acontecer, ao final da tarde, no Cais da Calheta.

Estava um dia em cheio e o professor, com aquele ar que o caracteriza, sem dizer nada a ninguém, vestiu os calções e, para surpresa de toda aquela gente, mergulhou nas águas límpidas da nossa baía.

Pessoalmente, apreciei muito o seu regresso à nossa ilha. Provou o queijo e anunciou-o como o melhor do mundo. Claro que, com tantos jornalistas lá de fora, poder-se-á acreditar que foi um empurrãozinho na nossa economia que, parece andar meia perra.

Sabes, José, toda a gente gosta do estilo do nosso Presidente. Nada se lhe dá que ele não aprecie. O homem esteve na Graciosa e elegeu as queijadas como as melhores. No Pico foi a consagração do vinho, e por aí fora…

Não te vou dizer que não fiquei curioso sobre o que ele vai dizer numa das suas passagens por São Miguel, quando provar as queijadas de Vila Franca, ou no Alentejo numa prova de vinhos, ou até mesmo na Serra da Estrela, numa tradicional degustação de queijos.

Não será difícil imaginarmos os seus comentários…

Para mim, o nosso Presidente vai atribuir-lhes a medalha de prata. Isto porque a de ouro já cá canta e, talvez para essas terras, não faça grande diferença na sua economia.

José, a visita de um Chefe de Estado é sempre motivo de orgulho para estas terras, principalmente quando é acompanhada por uma palavra de reconhecimento, como foi o caso, e quando trás uma mensagem de esperança em relação aos seus problemas.

Neste ponto de vista, talvez tenha ficado por dizer alguma coisa sobre o combate à desertificação ou até mesmo uma chamada de atenção sobre a dependência dos cidadãos e instituições em relação aos poderes públicos.

Por aquilo que me vens dizendo e pelos exemplos que ouço por aqui, são preocupações relevantes que atravessam toda a região e, por isso mesmo, devem ser abordadas sem preconceitos, acima das lutas político-partidárias e num pleno exercício de cidadania, sem o qual a sociedade tenderá a acomodar-se, caminhando ao sabor dos ventos, sem saber sequer para onde nos querem levar.

Reconheço que não seriam temas consensuais para um Presidente com este perfil, mas parece-me também que, nesta altura, a nossa ilha talvez precisasse um pouco mais do que beijos e abraços.

Recebe cumprimentos deste teu grande amigo, Francisco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *